Pai, eu te amo

Outro dia, enquanto eu fazia podas no jardim, eu estava bem compenetrado no trabalho quando ouvi um grito:

-Paaaaaaaaaiii!

Levei um susto e olhei direto para minha janela, onde para minha surpresa o meu filho sorria e eu perguntei sério com aquele "olhar contestador de gritos":

-O que foi que houve?

-Eu te amo pai! Só isso...

E voltou para dentro. Eu dei um sorriso que acho que ele nem viu. O interessante foi ver que por um breve instante ele roubou minha atenção, me trouxe uma sensação maravilhosa de amor e não se importou com o resultado de sua atitude, simplesmente porque ela foi sincera e despretensiosa. O objetivo era "o que" ele iria fazer, e não "como" eu ia receber, já que era algo bom eu só poderia gostar, não é mesmo?

Quantas vezes nos damos o trabalho de parar com nossas atividades e correrias, abrirmos uma janela na nossa rotina, enchermos os pulmões e gritarmos com toda a nossa força, Pai, eu te amo?!

Acho que nesse momento, nós iríamos arrebatar o coração Dele. O Senhor ficaria surpreso e feliz e diria a única coisa que vem na nossa cabeça depois de ouvir algo assim:

-Também te amo filho.

Mesmo que a gente volte a rotina e não escute ele responder. Mas Ele vai ficar com aquela imagem sorridente e apaixonada na cabeça aguardando o próximo encontro.

Terminou de ler? Então vá até a janela...

Juliano Leal - MRM/MARP

2012

Eis a nova febre apocalíptica! Já se encontram milhares de artigos pela internet falando do fim do mundo em dezembro de 2012. Entra ano e sai ano, um novo surto apocalíptico aparece, previsões apavorantes, interpretações de profecias, cálculos e mais cálculos cabalísticos e por aí vai.

A bola da vez são os Maias, cujo calendário cíclico termina em 2012, e depois não tem mais calendário. Baseados na questão cíclica, deduziu-se que "se pararam a conta, é porque não haverá mais nada depois". Agora eu pergunto pra você, voce já viu ou segurou um calendário do ano 4653 A.D.? Não?! Que terrível! Nós não temos um calendário daquele ano!

Imagine a cena:

"01 de abril de 4650-Uma equipe de cientistas que vasculhava um sítio arqueológico no meio do Deserto dos Açorianos em Porto Aleg re, encontrou evidências de que as lendas a respeito de um grande centro de processamento de dados e alguns palácios administrativos existirem naquele local antes do último glaciamento ocorrido em 3556, pode ser verdadeira. A equipe encontrou um equipamento de hardware extremamente primitivo que datava de 2020. Segundo os pesquisadores, era um computador simplório com um processador de 12 núcleos, que após um árduo trabalho de restauração, conseguiu ser ligado. O computador era usado como servidor de marketing, exibindo propagandas em um dispositivo no exterior do prédio, onde também informava a data e a hora. Religiosos afirmam que o povo local baseava seus ritos com base nos dados fornecidos ali. O que causou um forte sutro apocalíptico, já que o software só mostra eventos agendados até 01 de abril de 4653, exatamente daqui a tres anos, depois não há mais dados. Muitos acreditam que a primitiva máquina calculou o fim do mundo. Também foi encontrado um vídeo em que os robôs tentam subjugar os humanos que data do começo do século XXI, quando os Andrix (inteligência artificial baseada em Linux) nem eram uma possibilidade. Como hoje eles fazem parte do nosso dia a dia, muitos estão crendo que a maquina foi achada por vontade divina e que seu conteúdo é profético. É esperar pra ver."

Será que não seria assim? É sempre assim. O ser humano anseia pelo dia em que vai conseguir se livrar do mal. Por mais medo que haja do fim, do desconhecido, do transcedental, queremos saber como será, o que vem depois.

A nossa época tem tudo pra ser mais uma época de frenesi apocalíptico. Se olharmos para os lados, veremos que todas as profecias tem um ótimo ambiente para se cumprirem. Opa, peraí, eu falei todas?

Infelizmente eu queria que dessa vez fosse só mais um surto mas temo que talvez possa não ser. É literalmente a primeira vez na história, que todas as profecias de todas as fontes e crenças estão se cumprindo e convergindo para um evento final único.

Desde os povos mais antigos até as profecias mais recentes. E não adianta dizer que é fanatismo. Os economistas erraram, os políticos erraram, os "videntes" erraram, mas a sabedoria antiga foi mais uma vez confirmada.

Quer um exemplo? Jesus disse que "haveria uma grande tribulação como nunca houve antes, os homens desmaiariam de terror em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas, haveria fome e terremotos em vários lugares..."

Será coincidência? E os textos em que ele fala que seria igual aos dias de Noé, com todo o tipo de imoralidade e a volta dos Nefilim? Os sumérios e os hindus também acreditavam que "os deuses" iam voltar. E que eles eram maus...

E a febre mutante de hoje é a troco de quê? E e.t.'s como John, Superman, Mulher Gavião que "vem do céu" pra nos salvar? E os X-Men?

Esse assunto vai ser longo, e está apenas começando...

Juliano Leal MRM/MARP

Porque tantas?

 Não é raro acontecer de alguém que chega em nossas igrejas ou células, perguntar: “porque tantas denominações diferentes se todas são cristãs ou evangélicas e seguem o mesmo Deus?”, ou ainda: “porque tantos nomes se a Igreja que Jesus fundou é uma só?”; e muitas outras perguntas parecidas cuja resposta é normalmente a mesma: “Cada grupo tem uma interpretação ou justificativa da escritura no que diz respeito a como adorar a Deus e fazer a Sua vontade; o que importa é que adorem a Deus e confessem Jesus como Senhor e Salvador esses podem ser chamados de irmãos...”.
 É uma resposta correta, contudo pobre e também evasiva. Pior que isso, é o fato de mascarar os verdadeiros motivos da ‘proliferação das placas’, que são muitos, como descontentamento, flexibilidade doutrinária, diferenças de opinião, distanciamento geográfico, etc; mas em geral todos os motivos têm a mesma raiz, a mesma origem: pecado.
 Impressionante? Aterrador? Triste? Escolha o adjetivo para essa dura realidade. Rebelião e falta de humildade são as causas mais freqüentes de divisão (aqui citados apenas para elucidar um pouco o problema dos dois lados da moeda).
 O que vai parecer mais estranho, é que , na maioria dos casos conhecidos, Deus abençoa e trabalha no grupo que saiu, enquanto o grupo original, quando sobrevive a uma divisão, esfria, sim pois na maior parte dos casos, acaba, e por definhamento!

Falta de Humildade
O pecado da liderança
 Quando o grupo (ou pessoa) que sai esta com razão – por assim dizer –, é muitíssimo provável que Deus estava trazendo através desse ‘dissidente’ algo para abençoar/edificar toda a comunidade que só foi assimilado isoladamente, e quem assimilou se afasta gradualmente por se sentir repelido pela liderança, que do seu ‘Posto de Poder’, não crê que determinado grupo ou pessoa pudesse ser instrumento de Deus para falar/ministrar ao grande grupo.
 Ferido, o grupo que sai forma uma nova denominação fundamentada naquela revelação. Não é raro que os novos líderes achem que tudo que foi feito anteriormente na outra comunidade (inclusive por eles) estava totalmente errado e ‘fora da Palavra’, que eles ‘tiveram’ que sair de lá, e assim, com a revelação recebida, ‘tudo se faz novo’. Até Deus querer tratar a ferida e trazer revelação para alguém curado, e começar TUDO DE NOVO! O propósito de Deus para aquele grupo poderia ser se tornar indivisível, e assim ministrar todo o Corpo do Cristo, mas a ferida herdada e não tratada é novamente passada adiante, gerando uma maldição.

Rebelião
O pecado dos liderados
 O outro lado da moeda, e também um pouco mais dolorido, visto que quase nunca termina bem.
 Acontece um mover de Deus, um renovo chega e a liderança da igreja, antenada, avivada, em constante sintonia com o Pai, vai com tudo e começa a colher ótimos frutos dessa bendita situação.
 Infelizmente, alguém que gostava da coisa como ela era, e acha que esse movimento é coisa da cabeça das pessoas, começa a minar e envenenar o rebanho e se põe contra tudo que está acontecendo, acabando em rebeldia.
 Ele sai, normalmente acompanhado por um grupo de seguidores, começa uma nova denominação, normalmente com um nome que tem “raiz, resgate, fundamento” etc, no nome para dizer que “somos os originais e não nos contaminamos com os novos modismos”. Dali um tempo, o primeiro radical que perceber uma simples variação em qualquer coisa, vai fatalmente, repetir o processo, gerando uma maldição.

O que fazer então?

 A palavra diz que devemos buscar a paz com todos. Já acontece hoje de denominações diferentes com visões de ministração diferentes estarem sob mesma cobertura pois trabalham por um alvo comum. E também há aquelas que formaram comunidades interdependentes com suas congregações de origem ministrando apenas em locais separados para não haver escândalo de práticas em um determinado lugar onde prevalece determinada prática. Prevalecem o bom senso e o amor cristão em prol do Reino de Deus.

Vá para onde os frutos aparecem e não apodrecem

 Fazendo o que Jesus disse você certamente não vai errar. É a melhor maneira de saber se aquele grupo faz ou não a vontade de Deus, examine seus frutos. E se você perceber que as coisas acima estão começando a acontecer, seja o instrumento de Deus para ajudar a conciliar as partes instruindo-os no amor e no sacrifício do Messias.

“Pra que no aumento do Seu governo venha paz sem fim”.


Juliano Leal - MRM/MARP


Coisas que aprendi na Igreja - Parte I

A série de artigos com esse título, que vou escrever a partir de agora, é simplesmente um testemunho para que haja um pouco de reflexão entre os cristãos em relação ao que se tem feito dentro das igrejas, que muitas vezes, ao invés de serem portos seguros, são verdadeiras oficinas do Inimigo.

Os lugares e as pessoas foram, obviamente, modificados para preservar a integridade dos mesmos, os fatos todavia, permanecem inalterados.

Lembro de uma vez que eu estava terminando de executar uma determinada tarefa numa sala da igreja que é um tipo de vestíbulo da sala de reuniões, ou seja, não há outro acesso exceto pela sala de reuniões. E haveria, naquele fim de tarde, uma reunião de líderes. Ouvi as pessoas chegando e se posicionando e acelerei minha tarefa para concluí-la e sair. Foi quando ouvi uma primeira conversa:

-Não deve ter ninguém aí (onde eu estava) né? Senão a gente vai ter que deixar aquele assunto pra outro dia...

-Não, não tem. Vamos começar logo.

Eu ia interrompê-los abrindo a porta e saindo, mas eu já tinha ouvido a frase sobre o assunto secreto e não estava a fim de ser perseguido por nenhum líder, pois eles tinham esse costume.

Como eu não tinha nenhum compromisso após terminar o que eu estava fazendo, fiquei terminando em silêncio e a reunião transcorreu "normalmente". O assunto em questão era um complô para enfraquecer o pastor e ter mais influência nas decisões da igreja. Também foram tratadas naquela noite, formas de se controlar mais o que era ministrado no louvor da igreja e métodos de frear a vontade dos jovens de fazer vigílias e "louvorzões". Como se não bastasse, o último assunto da pauta foi "desenvolver uma estratégia para aumentar a arrecadação nos cultos" e uma proposta de fazer com que todos os líderes de ministério (exceto louvor e juventude "por serem imaturos") fossem remunerados.

Nessa ocasião, eu aprendi que na igreja a política e a corrupção eram mais fortes que o Espírito Santo. Que os mesmos líderes que pregavam contra a inquisiçao e o nazismo, praticavam uma repressão idêntica nos bastidores. Aí, os jovens descobrem isso e com seu fervor geram cismas. Depois disso eu descobri que não houve um único cisma em que não houvesse corrupção ou abusos cometidos por parte dos líderes.

Começou ali a minha busca por uma igreja que não fosse perfeita, mas que os líderes fossem pelo menos três coisas: humildes, honestos e transparentes.

É meus amigos, na igreja eu aprendi a identificar um hipócrita, um lobo em pele de cordeiro que não poupa o rebanho, um Judas Iscariotes que beija o pastor no partir do pão e depois o chama de "velho decrépto e defasado". Aprendi também que às vezes, as pessoas nos enganam, e aquelas pessoas piedosas que oram e jejuam, e são consideradas os pilares da igreja, também tem culpa no cartório, e ao saber do que você soube, ao invés de te ajudar, ela faz parte da tramóia e te põe na fogueira mais rápido ainda.

Juliano Leal MRM/MARP

Ler parte II

Ester, a grande mulher

Nestes dias 9, 10 e 11 comemoramos Purim. Para quem não sabe o que é Purim dê uma lida no livro de Ester ou digite Purim no Google.

O fato interessante desse ano é o Purim cair praticamente junto com o dia internacional da mulher, já que a principal figura da festa é uma mulher, quem sabe a mais reverenciada no mundo judaico. E é sobre ela que quero falar um pouco.

Ester, (ou como os judeus a conheciam Hadassa, ou ainda os assírios que a "hospedavam" Ashtarth), se tornou rainha pelos meios mais estranhos que se possa imaginar. O principal detalhe é que foi rainha de um povo estranho e contra vontade. E isso não a impediu de ser uma bênção para quem estava ao seu redor. Ela até hoje é vista como exemplo de corajem, audácia e um emblema nacional, e tudo que ela fez foi agir com confiança em Deus e baseada no amor.

Hoje as mulheres tem tentado de várias maneiras alcançarem seu espaço e terem seu valor reconhecido se impondo na sociedade e exigindo esses direitos. Ester não estava em posição de exigir nada e conseguiu sobrepujar as leis e as tradições de uma nação que não era a sua. A revelia da influencia de nobres e poderosos que queriam um genocídio gratuito, que ela impediu de forma humilde e ordeira, apenas com jejum e oração.

Deus deu às mulheres o poder da ternura e do afeto, do carinho e do amor, da sensualidade e da beleza, e hoje as mulheres tentam se impor por meios que são verdadeiras fraquezas e acabam sendo tiros pela culatra.

Os homens não precisam ser vencidos, pois já foram conquistados pelas doces e maravilhosas mulheres de todos os tempos. Sempre nos renderemos, como fez Assuero, àquelas que amamos. Os machistas... ah, olhem o que aconteceu com Hamã...

Feliz dia Internacional da Mulher, e um excelente e alegre Purim!


Related Posts with Thumbnails