Olá a todos! Meu nome é Geibson e fui abençoado com um convite para postar textos, estudos e outros materiais neste blog abençoado. Então, nos próximos tempos, espero ajudar na edificação de todos os leitores.

Para iniciar coloco um vídeo que fala muito sobre como a nossa vida com Deus era e ficou depois da entrada do pecado no mundo.

video

LifeHouse

Obrigado!

Como manifestei no primeiro post que escrevi, minha intenção ao começar o blog era (e continua sendo) abrir um espaço para compartilhar o meu coração com quem quisesse ler. Estamos caminhando para o quarto mês de vida do blog e o que pelas minhas contas ficaria restrito a alguns cliques dos meus amigos e conhecidos, tem tido um alcance bem maior graças a divulgação desses mesmos amigos. A vocês o meu muito obrigado!

Sem toneladas de propaganda, sem pop ups ou pop unders, sem virus, track backs ou phishings, mas apenas com conteúdo e links para sites que eu mesmo uso. Essa foi a minha escolha na hora de construir o Blog Realidade Profética que ultrapassa as 1130 visitas quando os meus cálculos deduziam lá na criação, uma média de 10 cliques por semana, que hoje nos daria um resultado de 150 a 200 cliques. Me sinto honrado com suas visitas.

Agradeço especialmente ao Geibson, a Aliane, ao Pr. Carlos Fernando que postaram comentários nas postagens que lhes chamaram a atenção. Também ao Lipe de Santocity, ao Valmir de Bento, e ao Luis Felipe de PoA que fizeram contato pelo messenger ou pessoalmente. E a Alêgria, nosso 1º seguidor. Que Deus abençoe todos vocês e continuem a divulgar nosso blog!

Um grande abraço a todos os leitores. Vocês é que fazem o blog existir!

Juliano Leal - MRM/MARP

Sobre o chip

Talvez você ache que eu vou falar sobre o Apocalipse de cara. Até poderia ser mas acho que você já fez esse link, então, vou me deter em coisas mais palpáveis do que simplesmente mencionar o texto bíblico do 666.
Essa invenção do saudita é uma arma de destruição em massa. Com o simples apertar de um botão, todos os chips podem ser acionados simultâneamente, eliminando todos os seus portadores de uma só vez. Se estes chips forem implantados pacificamente e voluntáriamente nas pessoas, num futuro momento de tensão, a única coisa necessária é avisar que "aquele que não obedecer o comando será eliminado".
Como conseguir que as pessoas aceitem uma coisa dessas? Prometendo paz e segurança. Desde 1988, as lojas maçônicas dos Estados Unidos vem desenvolvendo um programa de identificação de crianças para protegê-las em caso de desaparecimento ou sequestro. Com pequenas variações locais, o projeto é genericamente denominado CHIP, um acrônimo para CHild Identification Program. Seria uma mensagem subliminar para acostumar os participantes?
O programa consiste em catalogar informações de jovens e crianças e gravá-las num mini cd usado a partir daí como uma "kidtag", igual a plaquinha que serve para identificar cães (dogtag) e soldados (g.i.tag). Com o avanço da nanotecnologia, substituir o mini cd por algo que é mais dificil de perder, mais completo, pois não só identifica como também localiza, é uma consequencia "natural e inevitável".
Não custa nada lembrar aqui que a estratégia manjada do inimigo sempre foi atacar as crianças para evitar o futuro planejado por Deus. Foi assim com Moisés e com Jesus. Agora não seria diferente. E surpreenda-se, pois existem pais que já queriam que os ID tags fossem subcutâneos há anos!
Veja você mesmo os sites da iniciativa maçônica. Site 1. Site 2.
Ah, e a patente negada tem um objetivo claro para quem lida com tecnologia. Tudo que cai no domínio público é desenvolvido mais rápido, com a participação de mais pessoas e se torna mais barato. Atingindo muito mais gente.
Que Deus nos ajude a proteger os nossos filhos.
Juliano Leal - MRM/MARP

"Eu tava se divertindo com o meu pai!"

Fui buscar meu filho na escola um dia desses, após minha esposa fazer uma observação de que eu poderia estar dando pouco tempo pra ele, devido ao trabalho e essas coisas que acontecem com todos nós. Mas a sugestão não parou por aí, ela disse pra eu surpreendê-lo, levá-lo para dar um pequeno passeio e comer alguma coisa juntos.
Peguei ele na escola e teve lugar o seguinte diálogo:
-Vamos no supermercado e depois tenho uma surpresa pra ti. Não vamos pra casa, vamos em um lugar diferente.
-Onde a gente vai?
-Num lugar legal, que tu gosta.
-No parque?
-Acho que não vai dar tempo, já tá ficando escuro.
-Então vamos comprar um carrinho da Hot Wheels novo?
-He he, não...
-Ai, pai então o que é?
-Tu consegue esperar? A gente já vai chegar lá. Me conta como foi a aula...
Enquanto ele contava, se distraiu e fizemos tudo que tinhamos que fazer e já estávamos indo na direção do "lugar misterioso", quando ele disse:
-Acho que eu sei onde a gente vai. Eu conheço esse caminho! - E abriu um sorriso enorme no rosto ao me olhar esperando que eu confirmasse sua expectativa de alguma forma.
-Será que conhece? Será que é o lugar que tu tá pensando? -Atravessamos uma rua e a sorveteria surgiu enorme e iluminada diante de nós. Os olhos dele brilharam:
-É sim! É sim! Eu tô vendo! Eu sabia que era isso, eu conheço esse caminho! É isso né pai? Posso entrar?
-Sim pode, era isso mesmo.
-Moça, eu quero um grande, todo de chocolate! Nhamiminhaminham! E tu pai?
-Quero um misto.
-Viu, meu pai também gosta de sorvete. Adultos podem comer sorvete!
Paguei, peguei e convidei-o para sentar-se comigo à mesa. Ele olhava pra todos os lados eufórico, deslumbrado com tudo como se fosse a primeira vez.
-Come o sorvete filho, vai derreter!
-Como é legal aqui, né pai? A mãe nem vai acreditar que eu tive aqui!Nhaminhaminham! Huuum, que bom que é esse sorvete!
Ficamos uma meia hora ali. Conversando e rindo. Depois fomos pra casa falando dos personagens animados que decoravam a sorveteria.
Chegando em casa, ele entrou saltitante dizendo:
-Eu tava se divertindo com o meu paaaaaaai! Mãe tu tinha que ver! Eu ganhei um sorvete grandão!
E começou a contar pra mãe tudo que eu acabei de contar pra vocês.
Fiquei pensando, que ao contrário de mim, o Senhor é um pai que sempre tem tempo, nós é que não queremos mais sair com ele. Acho que seria tão legal se a cada reunião na igreja ou entre irmãos tivessemos um testemunho novo de um tempo agradável que passamos junto com Ele. Isso nos edificaria. Nos faria mais sensíveis, mais amorosos, mais carinhosos, mais humildes, mais filhos de Deus. Parecidos com Ele.
Qualquer hora dessa vou entrar na igreja aos pulos dizendo:
"Eu tava se divertindo com o meu pai!"
Juliano Leal - MRM/MARP

"Killer Chip" Saudita serviria para rastrear e eliminar indesejáveis

Traduzido por mim, da Fox News

Poderia ser o ultimato em controle político - mas a Alemanha rejeitou a patente.

Artigos na imprensa alemã publicados nas últimas semanas, dão conta de que um dispositivo de um inventor saudita, apelidado pela imprensa suiça de "Killer Chip"(Chip Assassino), teve sua patente negada.

O modelo básico consistiria de um modesto módulo GPS colocado numa cápsula e inserido em baixo da pele das pessoas, dessa forma as autoridades poderiam rastreá-los com facilidade.

O modelo B teria uma função extra - uma dose de cianureto mataria por controle remoto o portador do chip, sem barulho ou bagunça, caso as autoridades decidissem que ele se tornou uma ameaça pública.

Disse o inventor que o chip poderia ser usado para monitorar terroristas, criminosos, fugitivos, imigrantes ilegais, dissidentes políticos, trabalhadores domésticos e estrangeiros com vistos vencidos.

"A invenção certamente viola o parágrafo dois da Lei Alemã de Patentes - que não permite invenções que afrontem a ordem pública e a boa moral", disse a porta-voz do Gabinete Alemão de Registro de Marcas e Patentes, Stephanie Krüger, ao Website The Local.
Leia a notícia em inglês aqui. E eu vou comentar, aguarde...
Juliano Leal - MRM/MARP

Sobre as notícias

Tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o Dr. Eliseu Santos e conviver com sua família durante quase três anos. Isso foi no final dos anos 90. Antes e depois deste período, nunca se ouviu nada envolvendo o nome dele em nenhum tipo de tramóia política, que convenhamos, no nosso país tem de sobra.
Talvez alguém argumente que possam haver coisas por baixo dos panos nunca descobertas. Não posso por minha mão no fogo por ele, mas uma coisa é verdade: o  Eliseu é um cristão convicto e aberto, que ao contrário de outros cristãos com vida pública, não esconde seu amor ao Senhor de ninguém. Isso causa uma guerra espiritual tremenda, pois sabemos que pessoas comprometidas com as trevas procuram dominar deliberadamente o cenário político.
O Eliseu, a pessoa, o homem, é nosso irmão em Cristo, tendo culpa na situação ou não, é digno de nossa intercessão. Devemos esperar que outros cristãos que estão na ativa, como o Cláudio Conceição por exemplo, se manifestem e trabalhem com tudo que estiver ao seu alcance para que essa situação se esclareça. E que todas as atitudes tomadas, glorifiquem o nome do Senhor e não envergonhem o evangelho, pois nós vamos cobrar uma postura ética condizente com a palavra dos nossos irmãos que estão na política.
Quanto ao caso da sinagoga, não é de hoje que os neonazistas se reúnem no Rio Grande do Sul. Em 2002, eu e um amigo distribuíamos folhetos evangelísticos em frente ao shopping Prataviera em Caxias do Sul, quando um rapaz alto, de uns 20 anos, tatuado e com a cabeça raspada, passou por nós e disse:
  • "Não quero nada que fale de Jesus Cristo, porque ele era judeu e os judeus são os responsáveis por tudo de terrível que acontece na nossa economia. E Jesus dividiu o mundo ao criar a pior seita de todos os tempos."

Depois de dizer isso, pôs a mão dentro da gola e puxou com orgulho um medalhão que trazia pendurado ao pescoço, com uma águia de duas cabeças que com as garras segurava uma swastika, e trazia no peito o escudo das armas do Rio Grande do Sul, com o lema positivista substituído por uma frase em alemão pregando a idéia hitlerista.

Deixo bem claro, que quem é contra Israel, cedo ou tarde vai chegar a conclusão que o nosso caro rapaz ali de cima chegou e também vai ser contra a igreja. Isso é uma guerra espiritual que tem como objetivo tentar (ainda que em vão) deter os acontecimentos do fim dos tempos. A ideologia granjeia adeptos entre os alemães porque foi na Alemanha de Hitler que ela tomou força, mas não se restringe aos alemães. E são inúmeros os britânicos adeptos da Wicca que apóiam essa idéia. Então não generalize, e ore para que os cristãos alemães, descendentes de alemães e com família de alemães agregada (como eu), possam estar combatendo o bom combate do Senhor, e levando seus queridos que estão hipnotizados pelo nazismo, até a cruz de Cristo. Não existe raça superior, somos todos raça humana, descendentes de Adão. E somos todos pecadores, destituídos da glória de Deus. Apenas através do Supremo Sacrifício de Jesus, o Messias, é que podemos ter esperança. E isso é para todo aquele que quiser, que escolher crer.

Juliano Leal - MRM/MARP

Duas notícias que merecem destaque

Guerra espiritual aberta e declarada. Ore por esses assuntos.

Assim que possível estarei comentando esses dois fatos e suas implicações no ambiente espiritual de Porto Alegre.

Juliano Leal - MRM/MARP

O Fantasma da Ópera

Você já deve ter ouvido falar nesse musical da Brodway criado por Sir Andrew Lloyd Weber, onde um menino abandonado e com rosto deformado, é criado às escondidas nas profundezas de um superteatro, e com o passar do tempo, aprende a cantar, mas como tem um tremendo complexo de inferioridade e rejeição, só aparece furtivamente usando truques de cena. E de repente, surge Christine, um talento relâmpago que rouba a cena e desbanca a 1º soprano do teatro.

Ele então aparece pra Christine num espelho e começa a ensiná-la com toda a experiência que acumulou durante a vida no seu claustro artístico. E se apaixona por ela. Ou pelo que ela representa. Sua obra está tendo a chance de ser vista. Mas ele não quer mais ficar no anonimato, e perde os escrúpulos na tentativa de fazer seu talento reconhecido, aterrorizando o teatro. Ele agora se achava dono do teatro, dono dos artistas e dono do espetáculo. Ele achava que era parte da essência e da estrutura de tudo que acontecia ali, então se não fosse como ele queria, não ia ser de jeito nenhum!

O fim da história é triste, mas ensina muito bem o que o perfeccionismo e a obsessão por qualquer coisa podem fazer. O desejo descontrolado, a possessividade projetada no que não existe, desenvolvida sobre algo imaginário, ira desproporcional e violência inconsequente. Frutos de uma ferida não tratada e um trauma alimentado por medidas paliativas.

Hoje temos entre nossos líderes na igreja, milhares de fantasmas da ópera. São homens que descem de linhagens pastorais, que cresceram dentro dos calabouços dos templos e hoje se acham donos de tudo. Muitos não tiveram escolha. Estão no ministério apenas para "concluir o que meu pai começou". E são destruidores de vidas, literalmente.

Muitos deles se tornam assassinos de ministérios, pois não podem dar algo diferente do que receberam. Foram sempre manipulados e dirigidos pela "sabedoria" humana. Agora, adultos e velhos, feridos, só tem pús para derramar sobre os seus liderados.

Vendo toda sua obra ir por água abaixo, o fantasma vê Christine ir embora nos braços de Raoul, o benfeitor do teatro de ópera, dando pra ele um olhar que mistura pena e nojo. Ele chora sozinho, percebendo que ela poderia tê-lo ajudado se ele fosse honesto e não tentasse fazer do jeito dele, e que jogou fora todas as boas oportunidades que teria.

Hoje ao deixarmos certas igrejas, vemos a mesma face de agonia nos líderes que estamos deixando pra trás. E muitas vezes nossa cara é só de nojo, outras vezes de nojo e ódio, raiva, rancor, mágoa e tudo de ruim que eles nos passaram e agora invés de arrumarmos a situação, estamos levando conosco para outro relacionamento, iniciando um ciclo maligno.

Se você é liderado por um "fantasma", busque de Deus uma maneira de ajudá-lo. Seja amigo, escute, seja firme em suas posturas na Palavra. Ame.

Se você sente que, como diz na música "o fantasma da ópera está lá, escondido nas profundezas", faça ele sair de dentro de você, jogue fora essa dor, pegue a cruz e entregue o fardo, deixe o Espírito de Deus mexer no seu coração, comandar o espetáculo, e fazer você brilhar com a glória de Deus. Antes que você derrube o lustre...

Juliano Leal - MRM/MARP

Cristão? De onde?

Dois cristãos se encontram e começam a conversar sem saber que são cristãos, mas aos poucos o assunto e o testificar do Espírito faz com que eles descubram-se e a pergunta do título aparece. Infelizmente na maioria das vezes, ao descobrirem as denominações um do outro, a conversa que vinha fluindo numa boa, se enche de filtros e polimentos para não ofender o outro, ou na pior das hipóteses, se enche de agulhadas e indiretas.

Por isso, comecei a pensar e orar por uma maneira de nos referirmos a certos grupos cristãos de um jeito que demonstre as suas coisas em comum, aquilo que une, que realce as semelhanças, ao invés de reforçar e enfatizar as diferenças, ou classificando antropológicamente, rachando a igreja em castas com base na ciência e na história, como tem ocorrido.

Comecei a olhar para uma família. A minha família. Já que a igreja é uma família. E dentro da família tem de tudo, mas temos o sangue em comum. E uma das únicas coisas que une a família são festas ou tragédias. Com a igreja começa a acontecer a mesma coisa.

Agora, um outro exemplo bom de unidade vem dos judeus. Existem várias correntes de pensamento dentro do judaísmo, mas todos se unem contra o inimigo comum, respeitando as suas diferenças, mas sem valorizá-las ao ponto de se separarem. Se um assunto vai separá-los eles entregam o assunto para os rabinos estudarem e continuam juntos!

Com os islâmicos acontece parecido, a diferença é que os sheiks estudam, decidem e impõem o que deve ser feito, o povo nem discute. Igual ao catolicismo medieval.

E é justamente a poeira de comportamentos assim, misturados com muitos outros, que povoa a igreja hoje, fazendo do Cristianismo a maior sopa de letrinhas de toda a história.

Mas afinal de contas, que festas que nós temos para nos unirmos como família, mesmo que o tio fale da barriga do primo, ou a cunhada fale do cabelo e do vestido da sogra do irmão do marido? Temos uma festa? Temos várias, mas não celebramos. E nossa família sofre as consequências.

Nos reconhecendo e respeitando pela postura na adoração em conjunto

Como é o que mais aparece durante um culto, é um fator fácil de ponderar e se identificar. Logo, eu posso saber se consigo ou não conviver com aquela pessoa ou meio, ou o que tenho em comum com eles. E se eu buscar o que temos em comum, a coisa já começa a melhorar.

Eu pessoalmente enxergo quatro grandes grupos na igreja hoje. Existem igrejas que são muito diferentes em relação a doutrina, mas que adoram na congregação do mesmo jeito! A seguir, os quatro grupos com alguns exemplos (comentários e observações são muito bem-vindos):

Tradicionais

Usam hinário, liturgia no culto, são exigentes em termos de horário, e o comportamento normalmente é idêntico em todas as igrejas da mesma denominação. Os cânticos mantém uma tônica mediana, nem muito lentos nem muito animados. São extremamente influenciados pela música gospel comercial dos Estados Unidos, dando preferência sempre a quem é da mesma denominação. Ex.: Batistas, Adventistas, Luteranos.

Conservadores

Diferentes dos tradicionais por terem em sua maioria saído dali. Exigentes em termos de vestuário e com um culto muito centrado nas manifestações espirituais, tem seu forte em ritmos populares e em cantores que trazem cânticos especiais acompanhados de play-backs. Também usam hinários e na maioria das vezes o povo dessas igrejas desconhece a amplitude da música gospel mundial, dando maior oportunidade aos talentos locais. Ex.: Assembléia de Deus, Deus é amor, Congregação Cristã.

Moderados

Ministram o povo à base de recomendações, não fazem exigências nos cultos públicos. São extremamente organizados nas reuniões. Crêem que as curas divinas, os testemunhos públicos de graças e as ofertas são parte imprescindível da adoração. As músicas são pinçadas de todos os nichos do gospel e executadas por músicos profissionais sempre. Ex.: Internacional da Graça, Renascer em Cristo.

Radicais

Todas as ministrações são feitas estritamente com base nas escrituras. Tem um culto mais informal, com músicas que falam quase sempre só de adoração. As reuniões são marcadas por um ambiente colorido, com danças, instrumentos de todo tipo, inclusive exóticos, e total liberdade das pessoas se manifestarem nas reuniões. São extremamente exigentes quanto ao comportamento e ao caráter demonstrado pelas pessoas fora da igreja. Não se importam muito com roupas etc, mas exigem decência e ética muito mais que os outros. Seu maior anseio é ser cada vez mais parecidos com os cristãos primitivos. Ex.: INSEJEC, Bola de Neve Church.

Claro que a adoração no culto reflete muito das doutrinas pregadas nessas igrejas, mas é muito legal ver que talvez você ache que a sua não tem nada a ver com essa ou aquela, e vocês no fim das contas tem um jeito muito semelhante de se aproximar de Deus quando é para adorar em grupo.

Pare de procurar diferenças que a unidade fica bem mais fácil. Aí quem sabe você esteja preparado para experimentar um novo nível de comunhão com Deus nas festas que Ele instituiu. Quer saber quais são? Aguarde!

Juliano Leal - MRM/MARP

Pai, me limpa.

Essa frase me soou de um jeito diferente da última vez que eu ouvi. É normal ela partir de uma criança de 5 anos ou menos. Em um bebê nem há frase, só um choro de desconforto e incômodo.

Então o pai vai até o filho, entra em contato com uma sujeira que não é dele, deixa o filho limpo e cheiroso, e o filho fica feliz e volta transbordando alegria para seu ambiente.

Eu sei que, cedo ou tarde, vou ouvir a frase novamente, porque as "necessidades" do filho sempre vão existir. Mas ele vai me chamar só quando é necessário, ou se ele se sujar por acidente. Ele não vive sujo, justamente porque cuidamos dele, e ele também se cuida! Ele não gosta da sujeira, ele acha nojento, não gosta de ficar fedorento e melecado. Ele busca estar limpo e chama pelo pai e pela mãe quando precisa de ajuda.

Nós pedimos constantemente para o Pai vir nos limpar. Mas o nosso comportamento tem sido de repulsa em relação à nossa sujeira?

Quero olhar pro meu pecado do mesmo jeito que meu filho olha para o cocozinho e depois de limpo, puxa a descarga e diz: "Tchau, vai embora, não volta mais...".

Quero ficar bem cheiroso pro meu papai, exalando o bom perfume de Cristo.

Juliano Leal - MRM/MARP

Já pensou nisso?

Todos os que convivem mais de perto comigo sabem que sou técnico em informática. E lendo, estudando e aprendendo sempre mais sobre cura interior e libertação, me ocorreu algo que juntou esse tema com a informática. Todos acreditam que roubo é uma tremenda legalidade, mas a maioria dos crentes rouba software e acha normal. Se prepare para a cacetada.

Uma burrice espiritual

Em muitos computadores novos, tem vindo o Windows Vista® instalado, mas aí o preguiçoso diz uma meia dúzia de desculpas esfarrapadas sobre ser difícil, já estar acostumado com o outro, e faz downgrade pro Windows XP®. Seria só questão de preguiça se o XP fosse original, mas na maioria das vezes, é PIRATA. Dois pecados: preguiça e roubo.

Em outros casos vem com Linux, aí além daqueles dois de cima ainda é burrice mesmo. Se troca algo gratuito e legalizado por algo roubado. É uma incoerência! Tudo por não querer pagar pelos outros, ou não querer se adaptar a estes.

Mau testemunho

Aí você entra na casa do pastor, líder, etc, que é uma benção, ora para as pessoas serem curadas, o lider de louvor que fala em línguas e profetiza, o intercessor que vê o mundo espiritual, e tá lá no desktop deles aquele adesivo horroroso da Microsoft "você pode ter sido vítima de falsificação de software..."; então eles chamam o técnico crente e cometem mais alguns pecados: te tiram pra idiota, mentindo que o software era original e eles perderam a chave, ou que um técnico falcatrua veio e levou, e que aquilo só aconteceu porque alguém instalou alguma coisa que devia ter vírus.

Em primeiro lugar, nós técnicos sabemos o que aconteceu quando vemos essa cena. Segundo, o técnico falcatrua nunca tem nome. E por último, é quando instalam o Windows Live Messenger® ou outras novidades do tio Bill que isso costuma acontecer, pois eles ativam uma ferramenta chamada WPA (Autenticador de produto do Windows®), que detecta se é ou não pirata.

Damos um sorriso amarelo e começamos a manutenção. Formatamos e vamos reinstalar o Windows®. Pedimos para comprar ou achar a chave original e o mal testemunho transborda, normalmente dizendo que "todos fazem isso". Então tá, maria-vai-com-as-outras...

Fora os cracks

Que são as chaves de programas pagos baixadas da internet. Alguém pagou por elas e foi roubado para que essa chave esteja num site para download. Dificilmente um usuário leigo vai sair atrás de uma solução assim. Isso é mais comum entre técnicos e usuários avançados, pessoas que se deduz terem também um conhecimento razoável para discernir entre o certo e o errado, entre o legal e o ilegal.

Mas existe uma esperança

Comece pelos programas. Já existem soluções gratuitas de programas que substituem muito bem seus craqueados, e quebram essa legalidade na sua vida. Programas como Winamp, Audacity, Gimp, Foxit Reader, BrOffice.org, CdBurnerXP e Inkscape, substituem muito satisfatóriamente outros similares pagos que sobram craqueados nos pc's dos crentes. Ou você nunca instalou o Microsoft Office piratão? Nem o Nero? Photoshop? Adobe Reader?

E por último, mas não menos importante, se você gosta mesmo dos pagos, compre e legalize seus softwares. Inclusive aquele Church 9.0 craqueado na secretaria da sua igreja, tá?

Dai a Bill Gates o que é de Bill Gates, e a Deus o que é de Deus.

Juliano Leal - MRM/MARP

O Protesto

Um demônio estava dormindo no telhado de uma residência quando um de seus supervisores chegou e lhe deu uma bofetada na orelha dizendo:
-Acorda, mequetrefe! Tu por acaso não tem nada pra fazer?
-Não, senhor, agora não. Eu tinha, mas já faz um tempo que eu chego aqui e só fico olhando, e hoje acabei até cochilando. Lá de vez em quando eu sinto uma presençazinha de poder chegando mas é só dar um peteleco na mente deles que volta tudo ao normal.
-Isso é um absurdo! O chefe vai saber disso!
-Ah, ele já deve saber. Eu não sou o único. Tu é que tá demorando demais ao rodear a terra. Tem que aprender com o chefe meios mais rápidos...
-Não importa o que acontece, você precisa continuar trabalhando! Existem leis que não podem ser quebradas!
-É mesmo. Sabe, se um humano estiver trabalhando e outro humano chegar no trabalho dele e começar a fazer o serviço dele de graça e por conta própria, sem ser contratado pela empresa, o invasor é expulso dali ou contratado pois não pode trabalhar fora da legalidade. Mas aqui, a coisa tem virado a casa da mãe Joana. Esses caras que temos que afligir fazem o nosso serviço! E tem uns aqui que conseguem ser mais malignos que os piores demônios que eu já conheci! Chega a dar medo de pensar no que eles fariam se fossem realmente consagrados ao Altíssimo.
-Isso não vai ficar assim.
O supervisor saiu furioso, lançando setas e dardos inflamados para todos os lados e vociferando palavras de maldição. No dia seguinte, fez chegar um documento às mãos do principe das trevas:
"Vossa Alteza,
Chegou a meu conhecimento que existem soldados seus que estão dormindo no ponto porque argumentam que os humanos, principalmente os chamados "crentes", estão roubando-lhes as funções e tarefas, deixando-os entregues ao comodismo e à diversão de assistir às situações por estes perpetradas.
Por essa razão, reivindico que vossa alteza se apresente diante Dele, com base em Sua Palavra, e acuse os servos Dele de mais este pecado, e granjeie diante Dele a permissão de afligirmos os que se dizem Dele até a morte. Por mais que Ele os queira proteger, eles não são como Jó, e assim podemos pagar-lhes o salário do pecado, uma vez que pareça ser isso que desejam.
Dessa forma, poderemos voltar a fazer o que sempre fizemos e teremos reforços na luta contra aqueles poucos fiéis que insistem em viver em santidade, nos dando muito trabalho.
Ciente de que essas disparidades no mercado de trabalho logo serão sanadas, e crendo nos vossos ardis para reivindicar os direitos da categoria, me despeço com votos de um reinado pleno de vossa parte.
Aguardando pronunciamento,
Demônio Supervisor."
O príncipe, ao receber a petição, primeiro riu. Depois percebeu que era uma questão de autoridade atribuida não respeitada e ficou irado. Preparou o seu discurso e foi prontamente acusar os "irmãos" diante do trono.
Na semana seguinte, os demônios estavam trabalhando novamente. Haviam conseguido provar que podiam tocar nos bens e nas propriedades das igrejas porque tinham legalidade nelas. Começaram a haver incendios e desmoronamentos, e várias pessoas começaram a ser mortas. Entre elas, muitos inocentes.
Porque eles exigiram cumprir a lei que era boa pra eles. Mas quem disse que eles teriam escrúpulos?
Juliano Leal - MRM/MARP

Coisas que aprendi na igreja - Parte IV

Quem acompanha o blog sabe que o propósito dessa série não é de criticar pessoas, mas sim as atitudes que NÓS, igreja, temos muitas vezes, e fazer com que nos reavaliemos e tomemos uma atitude de mudança segundo os padrões de Deus, olhando para a consequencia das nossas atitudes más, antes de elas chegarem, evitando a causa da dor e parando como mau costume de remediar o pecado, acostumando-nos a prevení-lo.

Esse fato que vou narrar foi uma das experiencias mais doloridas que já tive. Hoje tenho paz com Deus em relação a isso, mas sofri durante alguns anos com a dúvida e a incerteza. Os lugares e a situação foram adaptados mas o cerne da história continuou intacto.

Um rapaz que eu havia ajudado a evangelizar e discipular começou a ter problemas no trabalho e nós haviamos nos distanciado por várias razões. Mas eu acreditava que isso era normal, pois todo o novo convertido passa por um período de limpeza e consagração no início da caminhada, o que às vezes inclui perder o emprego que veio de um jeito ilícito para começar em outro do jeito de Deus.

Entretanto um tempo depois, soube que na igreja em que havia escolhido congregar, havia conhecido uma moça cristã e estava namorando. No início a família da moça apoiou o relacionamento e achou muito bom. Mas quando houve da parte dele uma sinalização de que podia mudar de emprego a coisa começou a entornar.

Não fosse o suficiente, uma parte da família dela começou a complicar a vida do rapaz por ele ser negro. Essa parte da família era crente de uma facção bem radical dos evangélicos pentecostais.

Debaixo do stress, os dois começaram a buscar consolo um no outro, e com a falta de acompanhamento adequado, somado a uma igreja que ao invés de te erguer, te achata, eles engravidaram.

Stress multiplicado por quatro, devido ao abandono ministerial, racismo, falta de amor, incoerencia de atitudes, maledicência, abuso de autoridade (no trabalho E na igreja), e uma dose (mínima) de ataque espiritual direto, fizeram o rapaz sucumbir.

Numa noite de hora-extra, os problemas lhe subiram ao topo, fazendo falhar o raciocínio, levando consigo o discernimento e a esperança. No local de trabalho, derramou o próprio sangue, pondo fim à sua vida.

No velório, de caixão fechado, se ouvia a enrolação e a ladainha dúbia de "quem sabe deu tempo de se arrepender", já que pouquíssimos pastores sabem proceder num funeral de um suicida. Alguns dos assassínos estavam presentes chorando sua vítima. Seria remorso? Culpa? Ou lágrimas de crocodilo?

Na igreja eu entendi na prática as palavras de João: "Aquele que diz que ama a Deus mas odeia seu irmão, É um assassino".

Juliano Leal - MRM/MARP

Ler I, II e III

Mudanças no blog

Depois de três meses blogando, avaliando a experiência e os resultados, resolvi fazer algumas mudanças. Nada muito radical, apenas vou organizar os marcadores de forma diferente, de modo que eles representem categorias de assuntos que eu costumo abordar, facilitando encontrar posts relacionados.

Também pretendo começar a postar uma nova série intitulada "Abba" onde vou abordar somente experiencias com Deus extraídas da experiencia com meus filhos.

A coluna "Contos" trará exatamente isso. Pequenos textos de ficção com algum fundo moral ou apenas com um leve tempero crítico, já testado com o Criador e o coelho.

Mas talvez a maior novidade seja a coluna "Vinho Novo" onde eu vou compartilhar aquilo que Deus tem me falado e me feito experimentar no convivio dos irmãos amados da Comunidade Cristã Porto Alegre, e também um resumo da palavra compartilhada semanalmente nas reuniões da igreja local.

Caso nossos leitores tenham sugestões, enviem; mas não está descartada a hipótese de ativarmos a opção de colaboradores para o blog para que o dono da sugestão boa se torne seu próprio executor.

Liberdade com ética,

Realidade Profética.

Juliano Leal

Projeto Ministerial Refúgio da Montanha/Ministério Ap. Realidade Profética



Related Posts with Thumbnails