Coisas que aprendi na Igreja - Parte VIII

Não custa repetir que essa série tem o objetivo de reciclarmos nossas atitudes.

Eu estava no Exército. Semanalmente se realizavam cultos dentro do quartel, às quartas-feiras. Para quebrar a monotonia, os responsáveis pelo culto costumam convidar pregadores de fora para trazerem a Palavra. E também por muitas vezes os soldados estarem "mordidos" com um determinado superior e acabarem transferindo essa gana para o momento do culto e deixarem de receber a mensagem por causa do porta-voz dela.

Eu tinha acesso a muitos pregadores, pastores, líderes. E os convidei para colaborarem conosco. Era pra ser um compromisso de estar ali pelo menos uma vez por mês. Convidei nove ou dez ministros. Quatro foram pregar lá. Dois mantiveram o compromisso por três meses. Um só permaneceu até o final daquele ano e esporadicamente, continua indo lá até hoje.

Claro que outros foram convidados por outras pessoas, e o culto prosseguiu acontecendo, com a graça de Deus, cada vez melhor. O que quero destacar é que na hora em que eram convidados, os pregadores se enchiam de orgulho, ficavam lisonjeados, espalhavam a notícia, me elogiavam por eu estar desejoso de evangelizar no quartel. Quando era pra pegar no pesado e atender a enorme demanda de aconselhamento e discipulado, eles vazaram. Questionados sobre o motivo da descontinuidade das visitas, a resposta foi unânime: "Não temos estrutura para acompanhar esse trabalho aqui."

Pelo menos disseram a verdade. Não tinham estrutura mesmo. E a maioria ainda não tem uma boa estrutura de discipulado. Mas não pense que é por falta de dinheiro, espaço, mão de obra, ou qualquer outro recurso. O que falta é disposição. As igrejas e seus presidentes estão iguais aos nossos estimados membros do Senado Federal. Tem tudo na mão, mas não trabalham porque estão ocupados demais com o controle remoto do ar-condicionado.

Hoje, os próprios militares estão se tornando ministros e procurando igrejas que tenham visão de discipulado. A Capelania Militar não dá conta de toda a demanda espiritual dos quartéis. E a igreja não está muito ligada nessa parcela da população que é treinada para a guerra. Se não agimos onde podemos, Deus não vai nos dar o campo que desejamos. Não adianta se estrebuchar em vigílias e conferências proféticas pedindo que Deus nos dê esse e aquele lugar; se onde Ele tem mostrado que o campo está maduro, as espigas apodrecem e morrem.

Temos que fazer um pouco melhor nosso dever de casa, ou corremos o risco de sermos picados por uma serpente que nós mesmos deixamos crescer ao nosso redor.

Quem lê, entenda.

Juliano Leal - MRM/MARP

Blog Delay

Por motivos diversos, o pessoal da redação tem produzido menos nesses últimos dois meses. Algumas postagens ficaram arquivadas nos rascunhos por vários dias, sendo publicadas mais tarde do que a data que consta no título, causando um delay no blog.

Sugiro que você dê uma olhada geral e principalmente leia por tópicos, pois certamente vai haver algo que você não leu, mas que não está na página inicial pois é de uma data que já passou.

Esperamos trabalhar para que isso seja uma exceção, e assim que pudermos eliminarmos o delay do blog.

Obrigado pelo seu carinho e compreensão.

No amor do Messias Jesus,

Juliano Leal - MRM/MARP

Compartilhar o que temos

Hoje, gostaria de compartilhar com vocês um e-mail que recebi nesta segunda-feira e que me edificou muito. Postado aqui com a devida autorização, e também com muita alegria:

"Amados,
Graça e Paz do Senhor.

Ontem ao término do Culto de Celebração das 20hs, recebemos uma preciosa admoestação de nosso líder Orlando. As palavras do Senhor que foram ministradas através dele me tocaram profundamente e fiz uma grande reflexão sobre a tarefa que me cabe neste mundo. Questionei-me: será que estou realmente me preparando para esta grandiosa tarefa?

Quando o Orlando nos posicionou com relação aos problemas que ocorrem na nossa cidade em virtude da fome do Pão da Vida, senti um profundo pesar.

Este testemunho que quero revelar a vocês é apenas para demonstrar a grandeza do Poder de Deus e o mover do Seu Espírito. Tudo aqui dito é para Sua honra e glória... Aleluia!!!!

Muitos de vocês não me conhecem, por isso, permitam-me apresentar um pouco da minha vida:

Nasci e cresci num lar cristão, meus pais sempre foram da Assembléia de Deus e meu pai chegou a ser ministro da Igreja. Pais realmente maravilhosos e que sempre transmitiram o amor que recebiam de Deus para mim.

Faz quase onze anos que meu Pai está descansando no Senhor, e embora a saudade seja grande, instantaneamente é suprimida pela certeza de que um dia tornarei a vê-lo.
Hoje tenho vinte e nove anos e levei mais de dez anos para tomar uma posição diante de Deus. Eu achava que ter pais fervorosos e à frente de um trabalho era o suficiente para ser eximida do meu posicionamento com Deus e da minha tarefa a cumprir neste mundo. Embora tivesse conhecimento da Palavra, deixei-me levar pelo julgamento de Deus através do homem e passei a deixá-lo de lado. Longe da Palavra, passei a idolatrar outras coisas; e quando digo idolatrar, engloba tudo (filosofias, trabalho, estudos, namorado e etc.). A verdade era: eu não queria nada com Ele. Afinal, tinha um pai e uma mãe que oravam por mim, meus estudos iam bem, nunca tive problemas com trabalho, era jovem, saudável - o que mais eu precisava?

Até que um dia, o Inimigo tocou na minha saúde. E então, todo o dinheiro que eu ganhava ia para tratamentos. Fiquei de 2004 a 2008 doente e se tornava uma bola de neve. Eu já havia buscado todos os recursos médicos e nada adiantava. No dia de natal, eu roguei a Deus e pedi uma cura a Ele e fui atendida porque me humilhei diante Dele e O reconheci como único Salvador (mas isto é outro grandioso testemunho que um dia gostaria de contar-lhes com ricos detalhes).

Passeia a frequentar a Igreja Batista Filadélfia, onde, batizei-me em 31 de julho deste ano e neste dia Deus falou comigo de forma muito singular e expressiva. Duas semanas se passaram, e um dia o Espírito Santo falou com o ministro da igreja onde minha mãe congrega, e aos irmãos foi revelado que deveriam passar a constituir grupos células em suas casas. Sabemos que a maior parte das igrejas evangélicas não possui este ministério. Neste momento, entendi minha missão; a unidade da igreja de Cristo, pois não existe Igreja Assembléia de Deus e Batista. É uma só; unida para um único propósito: ganhar almas para Deus.

Minha mãe prontamente ofereceu nossa casa, pois há tempos já sentia no coração de retomar as reuniões que eram feitas, como na época em que meu pai era vivo.

Eu e o meu namorado possuímos responsabilidades nesse trabalho e tem sido grandioso para o nosso crescimento espiritual as experiências compartilhadas. No entanto, como uma recém batizada ou como gostam de falar, um bebê na fé, achava que não seria capaz de revelar o poder de Deus sobre as pessoas.
Na nossa primeira célula havia somente oito pessoas (eu, meu namorado, minha mãe, quatro irmãos e uma grande amiga minha – Joana*).

Joana é uma pessoa muito especial para mim e a conheço há mais dez anos. Alguém que literalmente faz parte da minha família e em muitos momento fez a diferença na minha vida. Joana é extremamente comedida na sua vida particular e carrega valores muito fortes. Ela tinha sua fé baseada na doutrina espírita e o Inimigo a usava para enxergar e psicografar. Usufruindo deste meio, começou a destruir sua saúde e família. De sete anos para cá, isso veio de forma avassaladora, principalmente no seu lar. Acompanhamos tudo de perto e procuramos dar todo o apoio necessário e em todos os sentidos. Neste ano, o marido dela saiu de casa de forma inesperada, e não havia mais comunicação com as filhas e o marido. Tudo se dava de forma agressiva. Ela não entendia o que estava acontecendo, e mesmo com tudo que estava passando ela não sentia no coração em desistir de sua família. Mas como faria isso? A cada dia a comunicação era inviável e a separação inevitável. Minha mãe dizia que Deus podia mudar esta situação e reconstituir a família dela.
Como muitos que vivem no engano, quando perguntamos se aceitam a Cristo, falam como se já O tivessem no coração. Entretanto, continuam a adorar outras coisas.

Neste dia da célula, perguntamos a Joana se ela aceitava a Jesus de todo o seu coração e como seu único Salvador, e então fizemos uma oração. E ela declarou isso ao mundo espiritual e logo desmaiou. O Inimigo foi exortado através do poder que Deus no concedeu. Passou-se um mês, e Joana fazia muitos questionamentos confrontando com a doutrina espírita. Isso me causava profunda angústia, pois eu queria ter um conhecimento mais profundo acerca deste assunto, antes de ministrar a ela. Com o conhecimento que tinha, não me achava capaz de falar sobre a Palavra e responder tal questionamentos. Na verdade, eu estava engessando o mover do Espírito, então comecei a falar o que sentia no meu coração. Tivemos várias conversas e cada vez mais ela tinha fome do Pão da Vida.

Certo dia, Deus tocou no meu coração de comprar alguns mantimentos e levá-los na casa da Joana, onde até então, com dez anos de amizade, eu nunca havia entrado. Sempre a deixava na frente de casa, pois ela não me convidava para entrar e eu respeitava e entendia os motivos. Neste dia, liguei para ela e descarreguei as caixas na porta da sua casa e prontamente me convidou para entrar. Conversamos sobre a família, mais algumas coisas que persistiam em acontecer. Senti de pedir autorização a ela, que se trata de uma das autoridades espirituais da casa, para que eu pudesse orar por tudo dentro daquele lar. Ainda disse: Eu não sei orar muito bonito, mas saiba que é de coração. Eu a abracei e pedi que tudo que estivesse impedindo o mover de Deus dentro daquele lar e daquela família fosse revelado em nome de Jesus. Isso se deu numa quinta-feira. Quando chegou na segunda-feira, ela sentiu de ligar para uma das filhas que não falava há meses. A menina a atendeu e começaram a conversar e revelaram, uma para a outra, todos os mal-entendidos que ocorreram. No dia seguinte, elas almoçaram juntas e a filha menor acompanhou. Na outra semana, seu marido voltou a falar com ela e também a fez revelações explicitando inclusive seu interesse em reconstituir sua família e voltar a dar todo o apoio a ela. Quando me revelou o que havia acontecido, ela abraçou-me e chorando eu disse que isso era o mover do Espírito Santo sobre a vida dela. Hoje a minha amiga Joana, está freqüentando a igreja e já está até evangelizando.Que imensa alegria!!! Glória a Deus por isso!!! Toda honra a Ele.!!! Isso foi um grande testemunho para mim e para ela. Com tudo isso, quero dizer-lhes que mesmo que não tenhamos todo o conhecimento da Palavra, e que muitas vezes nos achamos pequenos ou novatos na fé, Deus nos concede a autoridade de fazer grandes feitos em Seu nome e nos capacita para revelar o Seu mover. Não tenha vergonha, nem se sinta incapaz de receber as promessas de Deus sobre a tua vida e muito menos de revelá-las ao teu próximo. Temos uma grande missão: ajudar aqueles que ainda não conhecem nosso Aba-Pai e assim anteciparemos a Sua vinda.


"Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade". Salmo 127.4

Um abraço.

Com carinho,


Simone Meira

*O nome foi trocado para preservar a identidade"

Que façamos nossa parte!!!

Maranata!!!

Pequeninos

Um dos motivos da minha conversão - talvez o principal motivo - é o fato de eu ter certeza da existência de Deus. É algo que eu já sabia mas por um tempo eu havia esquecido.

Por que eu digo que havia esquecido? Pois quando eu era criança eu sabia da existência de Deus; assim como toda criança sabe da existência Dele. Porém, conforme vamos crescendo, acabamos deixando essa certeza para as dúvidas do mundo e nos esquecemos.

Talvez seja esse o motivo de Jesus dizer que é necessário que nos tornemos como crianças para entrar no reino Dele. E tenho certeza que esta afirmação não foi somente para nos tornarmos inocentes como as crianças.Mas também para desenvolvermos a capacidade de crer; ter fé sem segundas intenções, essa capacidade única das crianças em acreditar em Jesus sem restrições.

Talvez esse seja o real motivo para o desespero dos governos seculares, conhecidamente influenciados pelo príncipe deste mundo, em implementar políticas de controle populacional, seja por esterilização ou abortos. O real objetivo é o de retirar o parâmetro a ser seguido para entrarmos na casa do Pai.

"Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.

Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos; mas falarão com seus inimigos a porta." Sl 127:1-5

E mesmo as crianças que chegam a este mundo estão perdendo a inocência que deveria servir de padrão para os cristãos. Muitas crianças, mesmo dentro da igreja, comportam-se como pequenos tiranos impondo sua vontade a toda a família; situação esta apoiada por políticas anti-bíblicas impostas pelo governo.

Então me pergunto, para onde iremos? Como poderemos ser como crianças se mesmo elas não o são?

Viva de acordo com a palavra de Deus e viva uma vida realizada.

Geibson Lehugeur Barbosa – MRM/MARP

1 Coríntios 4

1 Coríntios

4:7 Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?

4:8 Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco!

4:9 Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens.

4:10 Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis.

4:11 Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa,

4:12 E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos;

4:13 Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.



Eu realmente não entendocomo é possível que tantos cristão se achem maiores que tudo; que por aceitarem Jesus, eles se tornaram super cristãos; que não podem ficar doentes, com problemas financeiros entre outros. Pois bem, o versículo 13 mostrado acima fala tudo. Paulo se diz o lixo do mundo, sendo perseguido, maltratado e sofrendo todo tipo de injuria. Talvez ele tivesse algum pecado oculto, ou não se dedicava ao evangelho de todo coração, ou as suas ofertas não eram altas o suficiente...

Geração de hipócritas. É isso que somos. Quando algum irmão chega na igreja com problemas qual a receita de bolo usada? “o irmão deve ter algum pecado não tratado”, “o irmão não se arrependeu”, “o irmão não tem aparecido com freqüência nos cultos” e o melhor de todos “Irmão, tu realmente aceitou Jesus?”. Bandos de fariseus. Se freqüentassem o sinédrio no tempo de Jesus, provavelmente teriam ajudado a crucificá-Lo; e agora querem posar de piedosos.

Nós somos todos lixo deste mundo. Nem sequer um justo se acha entre nós. Então parem de julgar os irmãos, pois vocês também não merecem a salvação e somente a receberam pela misericórdia de Deus.

Fechando.


1 Coríntios

4:18 Mas alguns andam ensoberbecidos, como se eu não houvesse de ir ter convosco.

4:19 Mas em breve irei ter convosco, se o Senhor quiser, e então conhecerei, não as palavras dos que andam ensoberbecidos, mas o poder

4:20 Porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder

4:21 Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e espírito de mansidão?



Pois bem vai ser com vara ou espírito de amor e mansidão?

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Geibson Lehugeur Barbosa - MRM/MARP



Related Posts with Thumbnails