Ser Pai

Hoje à tarde estaremos reunidos em família, comemorando o quinto aniversário do meu filho primogênito. Isso me fez refletir sobre a paternidade mais uma vez.

Mais uma vez porque desde a notícia desta gravidez da minha esposa, o meu raciocínio tem se dedicado com muito mais esforço ao tema. E analisando a situação "de cima", começam a chegar pensamentos na sua cabeça:

  • Cara, ele tá com cinco anos! Parece que foi ontem que saímos do hospital, sem a mínima noção do que seria de nós dali pra frente...
  • Mais um bebê... Será que o mano vai aceitar direito? Deve rolar um ciúme, toda criança sente ciúme. Ela acha que não, mas ela é caçula, eu sou primogênito... Vai ter ciume sim...
  • Esses fios aí mais claros... será que filho dá cabelo branco mesmo? Achei que isso era lenda... Agora eu pago o pato...
  • Se ele fizer aquela careta de novo, ah ele vai ver só...
  • Quem esse pirralho pensa que é pra me responder desse jeito! Se eu fizesse isso levava uma bifa!
  • Ah, como eu queria que ele não passasse pelas dificuldades que eu passei...
Acho que hoje entendo Deus muito melhor. Quase todas essas frases que eu citei podem ser adaptadas ao nosso relacionamento com Ele. E a única forma de saber o que mais agrada ou entristece o Pai, é sendo pai.

Agradeço a Deus pelos meus filhos. Agradeço aos meus filhos por me ajudarem a ser um filho melhor para o Aba Pai. É, acho que ja aprendi um pouco o que é ser pai.

E estou amando.

Juliano Leal - MRM/MARP

Postagens mais visitadas deste blog

Pólvora em Chimango

Sacrifício Diário

Noé