Coisas que aprendi na igreja - Parte III

Um grupo de jovens estava eufórico com as possibilidades que começavam a se mostrar no contexto da cidade onde moravam. Tinham se unido com um objetivo comum de orar pela cidade e agora viam que era possível juntar pessoas para isso apesar das denominações diferentes de seus templos. As coisas começaram a ficar cada vez melhores a medida que líderes de jovens aderiam ao movimento e vigilias começaram a acontecer com frequencia. Mas como qualquer bom cristão sabe, esse tipo de atitude acarreta consequencias espirituais. O que não se espera (ou esperava), é que o inimigo teria tanta liberdade de trabalhar contra um movimento de oração, usando os líderes das igrejas para perseguir os jovens.

Aí você vai me dizer: "Oh Juliano, que acusação grave! Você está falando de pastores, pessoas ungidas de Deus, ministros do Senhor..." Sim, sim, como sempre. Agora ouça os fatos.

Durante uma dessas vigilias, vi uma jovem que entre outras coisas ministrava adoração na sua igreja, prostrada com rosto no chão, chorando e orando para que Deus abençoasse e desse unção dobrada para que uma área de prostituição que ficava proxima da igreja fosse desmanchada e as pessoas alcançadas por Jesus. Na semana seguinte seus líderas a expuseram a uma verdadeira inquisição na sua igreja a acusando de rebelião, de se "misturar com agitadores" e "perder tempo com fantasias que não levam a nada". Ganhou um chá de banco e foi extremamente oprimida pela sua "amada" igreja.

Em outra, um rapaz que era líder de jovens de sua igreja, estava intercedendo pelos pastores da cidade para que fossem protegidos das ciladas do maligno, que não caíssem da graça como acontecera com vários exemplos conhecidos. Paulatinamente, sua liderança na igreja foi sendo minada, acusações de todos os tipos foram falsamente levantadas contra ele pelos líderes, até que conseguiram difamá-lo e afastá-lo da igreja.

Essa experiência é real. Eu mesmo fui perseguido e proibido de entrar em uma determinada denominação por "pregar que só existe uma fé e um corpo de Cristo na Terra". E a pessoa que me perseguiu foi rebaixada de posto na sua mega-igreja por coisas bem conhecidas da imprensa: evangélicos + grana = boas notícias...

Na igreja eu aprendi que quando quem deveria ser sua cobertura espiritual está vendido ao Diabo, não há como você escapar de certos incovenientes e sofrimentos. Tudo que nos resta é sermos fiéis ao Senhor e à sua Palavra. Deus jamais nos abandona, não importa o quanto sejamos atacados pelo inferno. Não existe cobertura espiritual maior do que a do esconderijo do Altíssimo. É claro que devemos congregar, devemos buscar lideranças idôneas e que tenham a vida aos pés da Cruz, mas saiba que isso não é a regra, é a excessão.

Ressalto, como tenho feito sempre, que a minha intenção não é por ninguém contra seus líderes, mas fazer com que você reflita sobre o tipo de Cristianismo que sua igreja está pregando e você está vivendo. Os dias se abreviam para a volta do Senhor. Não há mais tempo para ficar perdendo com bulas, regrinhas, e todas essas firulas eclesiásticas que levam do nada ao lugar nenhum.

Quando Ele vier, não vai olhar para o quanto você colaborou com sua placa. Ele vai te perguntar quanto você fez pelo Reino, quantas vidas você alcançou, quantos famintos alimentou, quantas vidas foram transformadas pelo poder Dele através da sua.

Leia Mateus 25 novamente e comece a se preocupar mais com aquilo que Jesus quer. A Palavra nunca erra.

Juliano Leal MRM/MARP

Leia a parte II

Leia a parte I

Postagens mais visitadas deste blog

Pólvora em Chimango

Sacrifício Diário

Noé