Quando a pior fraqueza de um líder aparece

Não é uma pergunta, é uma colocação. Sim, pois todos os líderes tem essa fraqueza, em grau menor ou maior, sob ou fora de controle, e pelo menos uma vez na vida ela vai aparecer. Talvez, naqueles que já a identificaram nem se torne visível aos outros, seja dominada, contornada, vencida. Já em alguns casos, talvez apareça, se torne um problema, ou pior, um pecado.

Que fraqueza tão terrível seria essa? Existe algo tão terrível assim que possa ser rotulado de "a pior"? Avaliando os casos de crises de liderança que acompanhei ao longo da minha experiencia eclesiástica e pesquisando a respeito, concluí que, sem dúvida, essa fraqueza acaba sendo a raiz da maioria dos problemas e de outras fraquezas que acometem os líderes.

Estou falando de insegurança.

E aqui vamos destacar o seguinte, independente da motivação, da origem da insegurança, a consequencia é quase sempre a mesma, ou seja, catástrofes que atingem todos os que estão ao redor daquele determinado líder "doente". Nas mais diversas esferas.

Um exemplo para facilitar nosso entendimento. Os quatro irmãos se afastam de Nárnia por um vasto período de tempo e ao retornarem tudo mudou, mas eles continuam sendo reis de Nárnia, com Pedro sendo o grande rei. Mas eis que surge um príncipe até agora desconhecido, e que quando reconhecido é um "ex-inimigo", que foi o responsável "acidental" em trazê-lo de volta ao seu cargo de rei, e que quer continuar contribuindo para a vitória do reino, e começa a se sobressair. Aí o Pedrinho se estressa e tem início uma crise, um choque de autoridade, as réguas pessoais brotam do meio do nada e um duelo psicológico tem início. Durante a batalha, todas as inseguranças transbordam e ambos se tornam extremamente vulneráveis ao inimigo.

Tanto Pedro, quanto Caspian, descobrem que estavam errados individualmente, principalmente porque são espostos juntos a tentação e ambos sucumbem juntos à mesma oferta: mais poder, para vencer primeiro o colega que está ao meu lado, depois e bem depois os meus inimigos, nem que pra isso eu tenha que usar meios inescrupulosos e me tornar escravo da Feiticeira Branca, sabendo em meu íntimo que a vitória será dela, e que eu possivelmente vou ser morto assim que ela estiver no meu trono. Mas por um breve instante, fui mais poderoso que meu próximo.

Mas então surge aquele que já se livrou dela, que já conhece suas artimanhas, que venceu pela dor e foi salvo através do fogo. E aje em favor do outro, por amor, não busca seu próprio interesse, não luta por causa própria, não é egoísta. Sabe seu lugar, suas atribuições, seus pensamentos são mais altos, tem consciência de sua missão. Edmundo não é inseguro.

Pedro e Caspian são a imagem do Cristianismo sedentário, secular e institucional, que se corrompeu com a grande prostituta, a gelada mãe das abominações da terra. Tanto em seu berço (Pedro) como ao redor do mundo (Caspian). Mas o remanescente fiel sempre aparece.

E onde fica Deus nessa história? Por que Ele não interfere e deixa os líderes escangalharem com milhares de vidas em batalhas sem sucesso, brigando entre si influenciados pelas idéias corrompidas do Maligno, que nem sequer está presente na situação, apenas observa a ruina dos filhos de Adão, de fora, de longe, às gargalhadas?

Lúcia sai em busca de Aslam. Ao encontrá-lo, faz a pergunta acima. Ele responde: Estive aqui o tempo todo. Você foi a única que veio me procurar. Em outras palavras, se conseguimos nos virar sozinhos em nossa auto-suficiência, Deus não vai se meter em nossos assuntos sem ser chamado. Ele é bem seguro de Si, e é a Educação em pessoa...

A única maneira de se sentir seguro é estando escondido em Deus. Todos os exemplos bíblicos nos mostram que os reis de verdade eram tão pedros e caspians quanto os fictícios. Somente no Senhor a autoridade é confirmada, só Nele é que a unção capacita o líder para que ele possa resistir as astutas ciladas do diabo, só Ele pode forjar a armadura que proteje de verdade contra o mal e suas investidas.

Que o senhor comece a tocar no coração dos líderes para que eles não façam como o rei telmarino, como Seth no Egito, Herodes na Judéia, que mandaram matar os bebês, pois seu trono ficava ameaçado. Você já deve ter visto ou já deve até ter sofrido um atentado nessa área, vindo de pastores e líderes que acham que vão perder o precioso cargo deles por sua causa.

Aqui vai bem lembrar a parábola dos talentos. Eles tem medinho de perder a miséria que eles tem? O Senhor vai chegar, tirar deles e dar ao que tem mais. Não vai ser o herói do momento que vai tirar o reino deles, vai ser o próprio Senhor. Vide os exemplos de Ramsés, Acabe, Nabucodonosor, Belshazar, Herodes...

Ah, Apocalipse 20 também tem um belo exemplo disso...

Seja seguro do que Deus preparou para você e siga em frente, quando fraquejar, deixe que o Leão solte o Seu rugido.

Juliano Leal MRM/MARP

Postagens mais visitadas deste blog

Pólvora em Chimango

Sacrifício Diário

Noé