Coisas que aprendi na igreja - Parte XIII

A HORA DO PESADELO

Esses assuntos que vou relatar hoje sempre voltam à tona de vez em quando nas conversas entre irmãos. Julgue como quiser, mas por favor, reflita sobre o que pode ter causado isso.

Um irmão do interior do Rio Grande do Sul, contou que certa vez quando voltava da igreja para sua casa, percorrendo uma distância à pé de aproximadamente 4 km por uma estrada escura e deserta no meio do mato, avistou sombras e vultos que instantâneamente repreendeu em nome de Jesus, livrando-se assim daquilo. Ao relatar o caso aos seus líderes, foi zombado.

Uma família evangélica, também do interior do RS, relatou que por diversas vezes os cavalos começavam a relinchar sem motivo no pasto. Ao longo do período de crise dos animais se ouviam muitos sons desconexos e não se via nenhuma pessoa. No dia seguinte, as crinas dos animais apareciam trançadas e não era raro que os animais também estivessem machucados e com hematomas. A igreja não emitia opinião oficial sobre os casos.

Talvez o mais terrível sejam os relatos de objetos flutuando ou sumindo da casa das pessoas em circunstâncias não assustadoras, sem espalhafato ou alarde, o que talvez torne as coisas piores. Oscilações estranhas na corrente elétrica, fitas k7 com conteúdo alterado, barulho de estômago vindo das paredes. Soube de uns 3 casos assim. E em todos a ação foi igual. Foram orar nas casas mas ninguém investigou as possíveis causas do problema, e com o tempo, a família ou pessoa em questão acabou rotulado na igreja como louco.

Quantas vezes mais o pessoal menos informado a respeito de coisas espirituais precisa ficar sofrendo duplamente? Nas mãos do inimigo e na dos assaltantes de Bíblia em riste, que vivem do pavor desses desinformados?

Na igreja eu aprendi que a hora do pesadelo é real. Tem gente rindo enquanto os que sofrem não conseguem pregar o olho.

Conhece algum caso semelhante? Conte pra gente.

Juliano G. Leal - MRM/MARP

Postagens mais visitadas deste blog

Pólvora em Chimango

Sacrifício Diário

Noé