Autoridade Rebelde?


autoridade au.to.ri.da.de sf (lat auctoritate) 1 Direito ou poder de mandar. 2 Sociol Forma de controle baseado no poder atribuído a determinadas posições ou cargos. 3 Poder público. 4 Agente ou delegado do poder público. 5 Capacidade, poder, aptidão. 6 Pessoa que tem reputação de grande conhecimento em determinado assunto. 7 Pessoa ou texto que se invoca em abono ou reforço de uma opinião. 8 Influência intelectual, prestígio, crédito, renome.

O assunto de hoje é delicadíssimo.

Com base puramente no descrito acima, ou seja, o conceito cru de autoridade no dicionário, podemos perceber que se trata de um conceito extremamente dependente e vinculado ao meio onde ele é reconhecido e exercido. Quantos de nós já vimos pastores durante seus exorcismos bradarem aos demônios: "Você não tem autoridade aqui, sai dessa vida agora! Solta ele! Quem tem autoridade aqui é Cristo!

Uma constatação simplória, nos mostra que esse "aqui" deixa margem para uma pergunta: "Se não tem autoridade aqui, tem em outro lugar?" Sim. Todo ser que pertença a um grupo organizado com alguma característica social, exerce alguma autoridade em algum nível.

Entretanto, como já demonstrado, alguns seres tem seu escopo de autoridade limitado, seja pelas regras do meio, ou por suas próprias regras. A convivência em grupo, a socialização, tem a necessidade de organização, e essa organização se dá através de regras, e essas regras são validadas por alguém em posição de autoridade. Algumas pessoas, mesmo sendo grandes autoridades em sua comunidade, podem simplesmente ser um zé-ninguém em outras. Assim como o demônio do exemplo acima, o pastor que o expulsava não poderia por exemplo, sacar uma arma e render um assaltante, por essa ser a prerrogativa de um policial. As leis especificam onde começa e termina a autoridade de cada pessoa, de acordo com a função que ocupa na sociedade. E na Igreja, o quê determina os limites da autoridade?

Os campeões de gincana bíblica pulam da cadeira da escola dominical e me respondem: a Bíblia, ora essa!
Mas tenho que lhes dar a noticia perturbadora. Em tese, sim, é a Bíblia que determina como, quando, onde, por quê, pra quê e de onde vem a autoridade. Entretanto, na prática, não é assim que acontece. Nas igrejas de hoje o que determina a quantidade e o escopo da autoridade é liderança local. Logo, cada local de culto tem suas próprias leis sobre esse assunto, consequentemente, a noção de autoridade vai variar proporcionalmente com o número de locais de culto.

Pergunto: Podemos extrair desse cenário uma noção adequada de autoridade? Que segurança (uma das consequências da autoridade corretamente exercida) nós poderemos ter de estarmos sendo obedientes ao Senhor? Seremos servos do Senhor ou escravos dos homens? Seremos submissos, engajados na missão dos apóstolos, ou seremos subjugados, trabalhando para a ganancia dos exploradores da fé?

Difícil. Complicado. Desconfortável.

E se o meu valoroso líder, independente do cargo que ocupe ou da posição que desfrute na hierarquia, cometer um ato de deliberada rebeldia ao Ensino Bíblico e me fizer desobedecer junto com ele, ele continua sendo uma autoridade instituída pelo Senhor sobre mim?
E se essa atitude deliberada tem respaldo nos documentos, regimentos, práticas e doutrinas da denominação, ela continua sendo a representação da autoridade do Senhor sobre mim?
E se o comportamento geral do grupo que se dispõe voluntariamente a seguir essas diretrizes ofende frontalmente a Palavra, esse grupo continua tendo a autoridade como Corpo sobre mim?

Se aí na sua cabeça, no seu coração, você respondeu "não" pra essas três perguntas, você precisa saber que é uma resposta curta de um conceito que você já elaborou na sua mente, pois esse assunto não tem uma resposta fácil e nem se resolve com sim ou não. Mas se a resposta que você exteriorizou ou pensou é "não", é porque você já fez uma escolha de não concordar com essas situações expostas e seguir somente a verdade da Palavra. Mas entenda, que existem pessoas que acreditam que devem continuar debaixo dessa situação por crerem que se fizerem o oposto estarão em rebeldia.

A Palavra é clara:

I Jo. 2:3-6
E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.
Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele.
Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.

Ora, a postura de praticar qualquer coisa em detrimento da Palavra é sem dúvida andar diferente de Jesus e não como Ele andou. Essa postura mentirosa e hipócrita à luz dos versículos acima, é corroborada pela palavra do profeta que condena àquela postura explicitamente dizendo:

Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído; Isaías 29:13

Assim, temos segurança pela Palavra de afirmar que quem permanece debaixo dessa estrutura prostituída, falsa e mentirosa que é o rebelde, e não o contrário! Pois quem concorda com as coisas feitas contra a Palavra, está igualmente contra a Palavra. 

Mas ao sair desse sistema, a reação imediata é de repúdio e condenação. Segue-se fofoca, difamação, injúria, calúnia e todo o tipo de comportamento reprovável que nada tem a ver com o caráter imaculado do Messias. E fica a sensação de que sua atitude de romper com aquele padrão corrupto de vida foi a causa do "sofrimento" no grupo. Para isso o Espírito nos dá resposta e conforto novamente nas palavras do amado João:

Meus irmãos, não se admirem se o mundo os odeia. Sabemos que já passamos da morte para a vida porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte.
Quem odeia seu irmão é assassino, e vocês sabem que nenhum assassino tem vida eterna em si mesmo.
Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos.
Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus?
Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.
Assim saberemos que somos da verdade; e tranquilizaremos o nosso coração diante dele quando o nosso coração nos condenar. Porque Deus é maior do que o nosso coração e sabe todas as coisas.
Amados, se o nosso coração não nos condenar, temos confiança diante de Deus e recebemos dele tudo o que pedimos, porque obedecemos aos seus mandamentos e fazemos o que lhe agrada.
E este é o seu mandamento: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo e que nos amemos uns aos outros, como ele nos ordenou.
Os que obedecem aos seus mandamentos permanecem nele, e ele neles. Deste modo sabemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu. I Jo. 3:13-24

De acordo com esse texto, todas as manifestações de repúdio que eu exemplifiquei lá em cima podem ser consideradas como "tentativa de homicídio", pois são manifestações de ódio! Como alguém que arroga ter a vida eterna em si amaldiçoa gratuitamente o seu irmão? Como alguém que diz que recebeu autoridade para apascentar o rebanho do Senhor pode praticar ou permitir tal comportamento? Como alguém pode subir semana após semana no púlpito para pregar e ser completamente relapso no que diz respeito a verdades incontestáveis e facilmente perceptíveis da Palavra?

Agora sim a resposta é simples. Sendo uma autoridade rebelde. E a Bíblia tem vários exemplos de pessoas que receberam instruções claras do Senhor e fizeram exatamente o contrário. Que desfrutavam de posição de autoridade e inclusive abusaram dessa posição para pecar gravemente e obter vantagem sobre as outras pessoas. Vou citar alguns.


  • A Rainha Jezabel, (I Reis 18): Apesar de ser rainha (que autoridade, hein?) mandou matar os profetas do Senhor, afrontando-O diretamente.

  • O Rei Saul, (I Samuel): Esse é o exemplo perfeito. Entre outras coisas, ele mandou matar os sacerdotes do Senhor acusando-os de conspiração, sendo que a principal acusação nem foi a conspiração em si, mas o fato de eles terem consultado o Senhor! Mais tarde, ele consulta uma vidente, provando a completa inversão de valores. Dele, a Palavra declara, que o Senhor ficou desapontado com suas atitudes e se sentiu mal por ter permitido que fosse rei sobre Israel.

  • Nadabe e Abiú, (Levítico 10): Apresentaram fogo profano diante do Senhor e foram consumidos.

  • Sambalate, Tobias e Gésem, (Neemias 2): Homens com acesso à corte de Artaxerxes, tentaram rotular Neemias de rebelde contra o rei quando ele anunciou a reconstrução dos muros, mas Neemias tinha autorização do rei para fazê-lo.

  • O Sacerdotes Judeus, (João 19): Acusando Jesus de se declarar rei e se rebelar contra César (e consequentemente, contra Roma), pondo a autoridade romana em xeque. Nesse episódio, Pilatos diz que tem autoridade para controlar a situação, e Jesus declara que isso só acontece por permissão do Senhor.
Temos mais, mas aqui já temos um bom começo. Agora, aproveitando a deixa, muitos líderes quando tem sua farsa desmascarada apelam pra textos isolados do novo testamento como sua tábua de salvação. Obviamente esses textos são estuprados para satisfazerem as necessidades destas pessoas. Um é o que citei acima, que Jesus usou com Pilatos e creio que foi só pra ele. Mas os que defendem a tese generalizam, e afirmam, que se o Senhor permite, também concorda e legitima. E endossam sua crença com João 3:27:

Respondeu João: o homem não pode receber coisa alguma de si mesmo, a não ser aquilo que lhe foi dado do céu.

Novamente, esse texto só me mostra que o Senhor pode ter dado. Daí a aprovar o que fazemos com o presente já é outra história. E aqui temos um belo porém. Nos mostram as evidências (nos exemplos citados) que as pessoas frequentemente metem os pés pelas mãos, fazendo meleca com o presente recebido. Mas o presente, nesse caso a autoridade, vem sempre do Senhor?

Lucas 4:5-7:
O diabo o levou a um lugar alto e mostrou-lhe num relance todos os reinos do mundo.
E lhe disse: "Eu lhe darei toda a autoridade sobre eles e todo o seu esplendor, porque me foram dados e posso dá-los a quem eu quiser.
Então, se você me adorar, tudo será seu". 

E agora? Como vou saber se a autoridade do meu líder veio do Eterno ou do Inimigo?

João Batista, que foi quem disse o versículo em Jo. 3:27, também disse:

Quando viu que muitos fariseus e saduceus vinham para onde ele estava batizando, disse-lhes: "Raça de víboras! Quem lhes deu a ideia de fugir da ira que se aproxima?
Deem fruto que mostre o arrependimento! Mateus 3:7,8

E Jesus disse:

Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores.
Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas?
Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins.
A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons.
Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo.
Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!
"Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Mateus 7:15-21

Sim, os frutos. Mas ao contrário do que se prega, os frutos não são só as boas obras. Os frutos são atitudes que demonstram transformação de caráter e não ausência de pecado.
Todos pecamos, mas nós não queremos ficar mergulhados no pecado! É isso que nos leva pra presença do Senhor! Queremos mudar, queremos ser limpos, queremos ser sarados, transformados.

Queremos andar como Ele andou. E cumprir os seus Mandamentos.


Se você se encontra nessa situação de medo de ser rebelde por causa dos rótulos e das circunstâncias, reavalie. Olhe ao redor, pondere, converse com pessoas que dão fruto, ore com elas e crie coragem para sair de debaixo da autoridade rebelde.

Ou você será cúmplice desses pecados.

O mesmo critério pode ser aplicado às autoridades seculares. Pare com essa besteira de aceitar calado todo tipo de estupidez dos governantes sob ameaça de que você está sendo rebelde contra o ungido do Senhor.
Responda à si mesmo: Hitler foi ungido pelo Senhor para matar 12 milhões de pessoas? Os ditadores iranianos e  norte-coreanos são ungidos pelo Senhor para matar cristãos impiedosamente? Você realmente acredita que o Senhor ficou feliz e legitimou a Inquisição Católica e a morte de milhares de inocentes?

Repito, reveja seus conceitos, ou você será rebelde mesmo, mas não contra as autoridades humanas, mas com eles, contra o Senhor.


Juliano G. Leal - MRM/MARP 



(Editado e revisado em Junho de 2013)

Postagens mais visitadas deste blog

Pólvora em Chimango

Sacrifício Diário

Noé