Quando a pior fraqueza de um líder aparece

Não é uma pergunta, é uma colocação. Sim, pois todos os líderes tem essa fraqueza, em grau menor ou maior, sob ou fora de controle, e pelo menos uma vez na vida ela vai aparecer. Talvez, naqueles que já a identificaram nem se torne visível aos outros, seja dominada, contornada, vencida. Já em alguns casos, talvez apareça, se torne um problema, ou pior, um pecado.

Que fraqueza tão terrível seria essa? Existe algo tão terrível assim que possa ser rotulado de "a pior"? Avaliando os casos de crises de liderança que acompanhei ao longo da minha experiencia eclesiástica e pesquisando a respeito, concluí que, sem dúvida, essa fraqueza acaba sendo a raiz da maioria dos problemas e de outras fraquezas que acometem os líderes.

Estou falando de insegurança.

E aqui vamos destacar o seguinte, independente da motivação, da origem da insegurança, a consequencia é quase sempre a mesma, ou seja, catástrofes que atingem todos os que estão ao redor daquele determinado líder "doente". Nas mais diversas esferas.

Um exemplo para facilitar nosso entendimento. Os quatro irmãos se afastam de Nárnia por um vasto período de tempo e ao retornarem tudo mudou, mas eles continuam sendo reis de Nárnia, com Pedro sendo o grande rei. Mas eis que surge um príncipe até agora desconhecido, e que quando reconhecido é um "ex-inimigo", que foi o responsável "acidental" em trazê-lo de volta ao seu cargo de rei, e que quer continuar contribuindo para a vitória do reino, e começa a se sobressair. Aí o Pedrinho se estressa e tem início uma crise, um choque de autoridade, as réguas pessoais brotam do meio do nada e um duelo psicológico tem início. Durante a batalha, todas as inseguranças transbordam e ambos se tornam extremamente vulneráveis ao inimigo.

Tanto Pedro, quanto Caspian, descobrem que estavam errados individualmente, principalmente porque são espostos juntos a tentação e ambos sucumbem juntos à mesma oferta: mais poder, para vencer primeiro o colega que está ao meu lado, depois e bem depois os meus inimigos, nem que pra isso eu tenha que usar meios inescrupulosos e me tornar escravo da Feiticeira Branca, sabendo em meu íntimo que a vitória será dela, e que eu possivelmente vou ser morto assim que ela estiver no meu trono. Mas por um breve instante, fui mais poderoso que meu próximo.

Mas então surge aquele que já se livrou dela, que já conhece suas artimanhas, que venceu pela dor e foi salvo através do fogo. E aje em favor do outro, por amor, não busca seu próprio interesse, não luta por causa própria, não é egoísta. Sabe seu lugar, suas atribuições, seus pensamentos são mais altos, tem consciência de sua missão. Edmundo não é inseguro.

Pedro e Caspian são a imagem do Cristianismo sedentário, secular e institucional, que se corrompeu com a grande prostituta, a gelada mãe das abominações da terra. Tanto em seu berço (Pedro) como ao redor do mundo (Caspian). Mas o remanescente fiel sempre aparece.

E onde fica Deus nessa história? Por que Ele não interfere e deixa os líderes escangalharem com milhares de vidas em batalhas sem sucesso, brigando entre si influenciados pelas idéias corrompidas do Maligno, que nem sequer está presente na situação, apenas observa a ruina dos filhos de Adão, de fora, de longe, às gargalhadas?

Lúcia sai em busca de Aslam. Ao encontrá-lo, faz a pergunta acima. Ele responde: Estive aqui o tempo todo. Você foi a única que veio me procurar. Em outras palavras, se conseguimos nos virar sozinhos em nossa auto-suficiência, Deus não vai se meter em nossos assuntos sem ser chamado. Ele é bem seguro de Si, e é a Educação em pessoa...

A única maneira de se sentir seguro é estando escondido em Deus. Todos os exemplos bíblicos nos mostram que os reis de verdade eram tão pedros e caspians quanto os fictícios. Somente no Senhor a autoridade é confirmada, só Nele é que a unção capacita o líder para que ele possa resistir as astutas ciladas do diabo, só Ele pode forjar a armadura que proteje de verdade contra o mal e suas investidas.

Que o senhor comece a tocar no coração dos líderes para que eles não façam como o rei telmarino, como Seth no Egito, Herodes na Judéia, que mandaram matar os bebês, pois seu trono ficava ameaçado. Você já deve ter visto ou já deve até ter sofrido um atentado nessa área, vindo de pastores e líderes que acham que vão perder o precioso cargo deles por sua causa.

Aqui vai bem lembrar a parábola dos talentos. Eles tem medinho de perder a miséria que eles tem? O Senhor vai chegar, tirar deles e dar ao que tem mais. Não vai ser o herói do momento que vai tirar o reino deles, vai ser o próprio Senhor. Vide os exemplos de Ramsés, Acabe, Nabucodonosor, Belshazar, Herodes...

Ah, Apocalipse 20 também tem um belo exemplo disso...

Seja seguro do que Deus preparou para você e siga em frente, quando fraquejar, deixe que o Leão solte o Seu rugido.

Juliano Leal MRM/MARP

Igrejas com jeitinho brasileiro - Nosso jeito pilantra de ser e crer

Exitei um pouco se esse comentário não deveria estar em "coisas que aprendi IV", mas não, apesar de mencionar um caso que vivi como exemplo, esse post é mais geral e visa alertar para uma coisa bem recente que está debaixo do nosso nariz.

Recentemente o SBT Brasil, telejornal que aprecio por ser imparcial na questão oriente médio e que tem como âncora o formidável Carlos Nascimento, levou ao ar uma reportagem intitulada "Fé sob Medida" onde eles expuseram não a diversidade do Reino de Deus, mas creio, o pús da igreja brasileira.

Com uma maquiagem bonita e um discurso apaziguador, o SBT mostrou o quanto a igreja no Brasil está dividida, fragmentada, esfarelada e desunida. Foram mostrados vários tipos de templos, de várias religiões, mas o que chamou a atenção foi o fato de muitos templos totalmente diferentes e apologéticamente divergentes, se dizerem ambos evangélicos.

Aí eu conto que já me argumentaram que Deus permite que a diversidade aconteça para que as pessoas não tenham desculpas de não ter ouvido o evangelho. Eu concordo, basta ler o post "Porque tantas" para ver isso. Mas diversidade é bíblico, é gerado pelo Espírito com fins de edificação, bagunça não. Divisão muito menos. Heresia, pior ainda.

Sob o pretexto de estar ouvindo Deus, se veem os nomes mais estapafúrdios em comunidades que fazem coisas mais estapafúrdias ainda. "Pastores" e "bispos" que se dizem recptores de uma grande verdade revelada tem exatamente o mesmo discurso de Rael e seus Elohim de outro planeta ou Shirley Mc Laine conversando com os espíritos. Nada pessoal contra o Rael e a Shirley, mas concordemos que eu não devo fazer aquilo que condeno nos outros,  e infelizmente é o que esses ditos "homens de Deus" fazem.

Outro câncer são as igrejas desportivas. Como se já não bastasse a rivalidade doutrinária, algumas estão levando literalmente seus fiéis ao campo de batalha. Com a desculpa de "evangelizar" eles se pegam no pau nos gramados. Outros tem deixado abertamente as artes marciais subirem no altar. Perguntem pra qualquer ex-praticante, convertido de verdade, se eles concordam com isso... Garanto que pensando na quantidade de demônios que os incomodava pelas legalidades abertas com essas práticas, eles são bem contra. Vou conseguir o testemunho de um amigo que praticava e se converteu pra postar aqui.

Mas o pior na minha opinião são os pastores com mentallidade e comportamento de cartolas do futebol. Normalmente esses aí são bem relacionados na sociedade, gostam de igrejas mais tradicionais e sofisticadas, tem vários amigos e membros envolvidos na política. Colocam qualquer zé-ruéla no púlpito, basta que tenha um diploma, pode até ser de "ciências ocultas em letras apagadas". Ministério nas igrejas deles é uma dança de cadeiras. O "técnico" dos jovens não tá bom? Troca. O do louvor também não? Troca. A do Grupo de Senhoras tá indo mais ou menos? Tudo bem, não tá perfeito mas tá fazendo gol. "Em time que tá ganhando não se mexe"...(Leia Efeito 41)

Essa cambada tá mais interessada no seu bolso no que em te ver adorando o Rei dos Reis. Duvido que eles fiquem investindo tempo em adoração, jejum, quebrantamento, intercessão, em nível congregacional, em massa. E essas coisas dá pra fazer de formas bem criativas e nada maçante ou excessivamente padronizado, mas bem bíblico.

Depois, não me perguntem porque ao invés de descer a glória de Deus, desce o telhado...

Assista abaixo a reportagem do SBT:

Juliano Leal MRM/MARP

Coisas que aprendi na igreja - Parte III

Um grupo de jovens estava eufórico com as possibilidades que começavam a se mostrar no contexto da cidade onde moravam. Tinham se unido com um objetivo comum de orar pela cidade e agora viam que era possível juntar pessoas para isso apesar das denominações diferentes de seus templos. As coisas começaram a ficar cada vez melhores a medida que líderes de jovens aderiam ao movimento e vigilias começaram a acontecer com frequencia. Mas como qualquer bom cristão sabe, esse tipo de atitude acarreta consequencias espirituais. O que não se espera (ou esperava), é que o inimigo teria tanta liberdade de trabalhar contra um movimento de oração, usando os líderes das igrejas para perseguir os jovens.

Aí você vai me dizer: "Oh Juliano, que acusação grave! Você está falando de pastores, pessoas ungidas de Deus, ministros do Senhor..." Sim, sim, como sempre. Agora ouça os fatos.

Durante uma dessas vigilias, vi uma jovem que entre outras coisas ministrava adoração na sua igreja, prostrada com rosto no chão, chorando e orando para que Deus abençoasse e desse unção dobrada para que uma área de prostituição que ficava proxima da igreja fosse desmanchada e as pessoas alcançadas por Jesus. Na semana seguinte seus líderas a expuseram a uma verdadeira inquisição na sua igreja a acusando de rebelião, de se "misturar com agitadores" e "perder tempo com fantasias que não levam a nada". Ganhou um chá de banco e foi extremamente oprimida pela sua "amada" igreja.

Em outra, um rapaz que era líder de jovens de sua igreja, estava intercedendo pelos pastores da cidade para que fossem protegidos das ciladas do maligno, que não caíssem da graça como acontecera com vários exemplos conhecidos. Paulatinamente, sua liderança na igreja foi sendo minada, acusações de todos os tipos foram falsamente levantadas contra ele pelos líderes, até que conseguiram difamá-lo e afastá-lo da igreja.

Essa experiência é real. Eu mesmo fui perseguido e proibido de entrar em uma determinada denominação por "pregar que só existe uma fé e um corpo de Cristo na Terra". E a pessoa que me perseguiu foi rebaixada de posto na sua mega-igreja por coisas bem conhecidas da imprensa: evangélicos + grana = boas notícias...

Na igreja eu aprendi que quando quem deveria ser sua cobertura espiritual está vendido ao Diabo, não há como você escapar de certos incovenientes e sofrimentos. Tudo que nos resta é sermos fiéis ao Senhor e à sua Palavra. Deus jamais nos abandona, não importa o quanto sejamos atacados pelo inferno. Não existe cobertura espiritual maior do que a do esconderijo do Altíssimo. É claro que devemos congregar, devemos buscar lideranças idôneas e que tenham a vida aos pés da Cruz, mas saiba que isso não é a regra, é a excessão.

Ressalto, como tenho feito sempre, que a minha intenção não é por ninguém contra seus líderes, mas fazer com que você reflita sobre o tipo de Cristianismo que sua igreja está pregando e você está vivendo. Os dias se abreviam para a volta do Senhor. Não há mais tempo para ficar perdendo com bulas, regrinhas, e todas essas firulas eclesiásticas que levam do nada ao lugar nenhum.

Quando Ele vier, não vai olhar para o quanto você colaborou com sua placa. Ele vai te perguntar quanto você fez pelo Reino, quantas vidas você alcançou, quantos famintos alimentou, quantas vidas foram transformadas pelo poder Dele através da sua.

Leia Mateus 25 novamente e comece a se preocupar mais com aquilo que Jesus quer. A Palavra nunca erra.

Juliano Leal MRM/MARP

Leia a parte II

Leia a parte I

Entre enigmas e príncipes

Estréia em 17 de Julho, o próximo filme da série Harry Potter. Para quem já leu os livros, sabe que a saga neste ponto toca num assunto bem recorrente da trama: o confronto entre os puro-sangue, os mestiços e os "sangue-ruim". Mas não é só em Harry Potter que a luta entre classes está sendo estimulada pela mídia.

A Rede Globo (só pra variar), está jogando em cima das massas a novela "Caminho das Índias" que realça o (péssimo) costume deles de elencar seres humanos em castas. O que, tenha certeza, em breve estará nos dando problemas entre as pessoas: uns começarão a chamar os outros pelos nomes das castas inferiores em tom de brincadeira para manterem a hegemonia e a superioridade deste ou daquele grupo.

Aliás, esse tipo de comportamento faz sucesso aqui no sul. O Estado é famoso pelo bairrismo, pela luta histórica pela independência contra o resto do Brasil, agravado pelo sentimento racista que insiste em sobreviver em alguns imigrantes europeus e seus descendentes.

Mas eis que me surge um grande enigma. Quem é realmente plebeu e quem é príncipe? Importa realmente ser sangue ruim ou puro? Ser da 1ª, 2ª ou 3ª casta? Pra mim essas classificações são coisa de "trouxa". Mas o pior está por vir: são as castas, as etnias, as facções eclesiásticas...

O Cléro pode tudo; o leigo, ah, esse é um pobre coitado. Os líderes, os "12 do Superpastor fulano de tal" são o máximo, aquele irmãozinho simplezinho (mesmo fiel), a gente até tenta ajudar, mas é um ignorante...

Aquela igreja cheia de fru-frus é a melhor, a casinha de "pau-a-pique" que tem servido de instrumento de salvação para muitas pessoas, é uma "biboquinha, nem parece igreja"...

Ultimamente, tenho tido certeza que chegou o tempo da apostasia. O que menos vemos nas megaigrejas hoje é a prática de alguns textos bíblicos:

Filipenses 2

Mateus 23

Atos 2

Só pra citar alguns. Pelo menos os bruxos de Harry Potter, os hindus da Globo e muitos outros, repetem o que existe na prática. Pessoas que vivem aquilo que acreditam mesmo sendo errado diante de Deus e da Palavra, e nos iramos quando caricaturam os crentes na TV como ladrões e hipócritas. Porém, nesses casos, a arte tem imitado a vida.

Gostaria de fazer como o Harry, que num passe de mágica faria sumir aquilo que o incomoda. Mas isso é fantasia.

Juliano Leal MRM/MARP

It's the end of the world as we know it

Começa com um terremoto, pássaros, serpentes e um avião, e os Maias não estavam com medo...

A frase acima foi montada sobre a música do R.E.M., que o dC Talk também gravou, que foi feita com base nos acontecimentos que tem tomado conta do mundo nas últimas décadas. Para dar um ar profético na música, o refrão é a frase que inquieta os escatologistas na profecia Maia. O calendário termina e eles escreveram em seguida: "Então, será o fim do mundo como o conhecemos". Será que você ficaria surpreso se eu dissesse que, ao contrário dos Maias, a Bíblia não dá uma data, mas também fala que o mundo como o conhecemos vai acabar? Isso está em Apocalipse capítulo 21.

O texto diz que as coisas antigas, os primeiros céus e terra passaram, essa palavra no original tem o mesmo sentido da palavra Pessach, que quer dizer passagem de um estado à outro, não somente de um ponto ao outro. Daí se deduz que haverá uma transformação, marcando o fim do mundo como o conhecemos. A última Páscoa, a libertação derradeira. Espero que estejamos todos prontos, como diz uma outra canção que o dC Talk gravou, pois se não estivermos com o Senhor na sua vinda, se não formos resgatados por Ele no momento único da Sua vinda, então adeus, você teve sua chance, e agora acabou, já era, só pra citar Whitecross, "There's no second chances, you listen to lies!", não há segunda chance, mentiram pra ti!

I Wish We'D All Been Ready
dc talk

Composição: Larry Norman

oooh.....

Life was filled with guns and war,
And all of us got trampled on the floor.
I wish we'd all been ready.

Children died, the days grew cold.
A piece of bread could buy a bag of gold.
I wish we'd all been ready.

And there's no time 
To change your mind
The Son has come
And you've been left behind.

A man and wife asleep in bed,
She hears a noise, turns her head he's gone.
I wish we'd all been ready.

Two men walking up a hill,
One disappears, one's left standing still.
I wish we'd all been ready.

And there's no time 
To change your mind
The Son has come
And you've been left behind

(oh yeah, ooh)
(yeah, alright)

The Father spoke, the demons died.
How could you have been so blind?

And there's no time 
To change your mind
The Son has come
And you've been left behind.

No, And there's no time 
To change your mind
The Son has come
And you've been left behind

I hope we'll all be ready.
You've been left behind.

"Não vai dar tempo de mudar de idéia, O Filho veio e você ficou pra trás."

Pense nisso.

Juliano Leal MRM/MARP

O Criador e o Coelho

Um coelho estava acostumado a dar os seus passeios matinais pelo bosque onde morava. Todos os dias era sempre igual. Saía da toca, comia umas folhas, umas frutas, levava alguma coisa pra casa e continuava sua feliz rotina. Até que algo aconteceu.
Numa dessas tranquilas manhãs, de repente, tudo ficou escuro. Muito barulho se ouvia ao redor. Gargalhadas altas e uma voz rouca e potente que disse:
-Eles vão adorar!
Um estrondo debaixo dos seu pés deu-lhe um tremendo susto e sentiu seu corpo totalmente a deriva sobre um espaço desconhecido. Começou a enjoar enquanto era era jogado de um lado para o outro naquele saco fedorento.
Subitamente, tudo parou. Ouviu passos, alguém o ergueu. Mais passos. Silêncio. O saco se abriu.
Um humano com a cara enrugada e os cabelos ralos e bem brancos o agarrou pelo cangote e o girou diante dos seus olhos. O humano sorriu encarando-o e disse:
-Bem vindo ao seu novo lar, amiguinho! He he he!
E o pôs numa gaiola. Enfiou uma folha de alface murcha entre as grades e um pote dágua pendurado nelas. E a montanha russa começou outra vez.
Saíram de um galpão e foram em direção a uma bela casa. Então o coelho orou desesperado:
-Senhor Criador! O que está acontecendo, onde estou? Quero voltar para o meu bosque, onde eu te louvo todos os dias! Por que esse humano me pegou? Socorro!
O velho entrou na casa. Crianças vieram recebê-lo com muita alegria. O velho mostrou-lhes a gaiola e disse:
-Feliz Páscoa!
O coelho perguntou ao Criador:
-Essa data não é aquela que nós deveríamos ficar longe dos humanos?
O Criador respondeu:
-É sim, coelho. Para entender a razão, dê uma olhada ao seu redor.
O coelho olhou e ficou horrorizado. Haviam imagens e ídolos com formas de coelhos e ovos por todos os lados. No canto da sala havia um altar com quatro cestos cheios de oferendas diante de uma prateleira vazia. Uma das crianças disse:
-Vamos colocá-lo ali!
O coelho disse novamente ao Senhor:
-Senhor, o que eles estão fazendo?! Isso é um erro! Eu não posso ser adorado! Parem com esse absurdo, me tirem daqui! Socorro! Quero ir embora!
E começou a se agitar dentro da gaiola. As crianças disseram:
-Vamos cantar pra ele se acalmar; "Coelhinho da páscoa, que trazes pra mim? Um ovo, dois ovos, três ovos, assim? Coelhinho..."
-Acho que se eu parar elas param...
Se encolheu no canto. As crianças pararam e foram brincar.
O tempo passou, a páscoa também e o coelho voltou para o galpão, onde a comida era fedorenta e o espaço apertado. Todos os dias ele lembrava do bosque.
Numa noite, o humano esqueceu as portas abertas, pois estava cheio de vinho. O Criador acordou o coelho e ele fugiu, voltando ao seu bosque.
Chegando lá, foi recebido com festa por sua família que agradeceram ao Criador por sua volta; mesmo ficando perplexos de saber que apesar de todas as coisas maravilhosas que o Criador nos proporciona, existem humanos que adoram coelhos...
Juliano G. Leal
MRM-MARP

Coisas que aprendi na igreja - Parte II

Era um belo domingo ensolarado e agradável. Não lembro a data, mas pelas imagens na memória do vento nas árvores e flores nos canteiros das ruas, devia ser primavera. O culto mensal de comunhão transcorria numa boa. Esse culto é aquele que os membros "atarefados" costumam frequentar. É quando também deixam seus dízimos gordos na caixa de coleta, evitando visitas pastorais desnecessárias e questionamentos sobre o fato de só virem uma vez por mês à igreja.

Nessas reuniões, uma grande atmosfera de "zelo além do normal" tomava conta dos diáconos. Coisas que eram contornadas com facilidade nas outras reuniões, em outros dias ou horários, nesse viravam verdadeiros sacrilégios, blasfêmia pura, só porque "hoje é Santa Ceia".

E ninguém avisou um rapaz maltrapilho e doente que esse era o dia dos ricos e poderosos frequentarem seu "santuário".

Eu estava indo ao banheiro quando vi um rebuliço na portaria e fui ver o que era. Demorei pra entender o que estava acontecendo, e me deparei com um paredão de cinco diáconos impedindo um rapaz de se expressar, se mover ou qualquer outra coisa. Só se ouviam frases do tipo: "Tá bêbado", "tá endemoninhado", "capaz que vai entrar desse jeito, fedendo, na Ceia", "chama a Brigada, a Ronda Social..."

Perguntei para uma irmã que estava atrás de uma mesa enorme abarrotada de doações de alimentos se não havia um jeito de dar umas roupas pra ele, um banho, uma comida. Ela fez uma cara de "gato de botas do Shrek" e não me respondeu.

De repente surge uma Luz vinda do céu e derruba todos! Bem que eu gostaria, mas não. O rapaz foi embora, chorando e praguejando. Uns meses depois fui descobrir, circulando pela vizinhança, que o rapaz era gago e tinha dificuldades motoras por problemas no parto, e  que morava bem perto da igreja. Ele nunca mais voltou.

Na igreja eu aprendi que quando o dinheiro já nos colocou numa zona de conforto, não importa o que aconteça permaneceremos nela, porque não queremos sair. Mesmo que isso signifique jogar Mateus 25 e correlatos na lata do lixo. Afinal, Deus é misericordioso ad infinitum.

Naquela manhã, todos aqueles carrascos da ditadura da beleza, limpeza e riqueza, tomaram e serviram a Ceia. Eu não consegui tomar Ceia com eles. Nunca mais.

Ler a parte I



Related Posts with Thumbnails